Espanha recrutará estrangeiros para suas Forças Armadas

A Espanha recrutará residentes estrangeiros para suas Forças Armadas, carentes de pessoal desde que terminou no país, há dois anos, o serviço militar obrigatório, disse nesta quarta-feira um porta-voz do ministério da Defesa. Nos primeiros nove meses do ano, o Exército só conseguiu atrair 800 voluntários, contra os 12.000 previstos para 2002. O Exército espanhol conta atualmente com 75.000 combatentes, disse o porta-voz, contra o número de 86.000 com que esperava contar em 2002. O governo revogou a obrigatoriedade do serviço militar em 2000 e disse que formaria um Exército totalmente profissional de entre 102.000 e 120.000 voluntários - menos da metade que havia nos anos 90, disse o porta-voz, que não quis se identificar. A falta de interesse pela carreira das armas permanece, apesar de uma forte campanha publicitária de recrutamento que já custou ? 76 milhões, desde que o chefe do governo, primeiro-ministro José María Aznar, propôs a idéia de um Exército profissional, após ser eleito em 1996. O ministério abriu no ano passado o recrutamento para descendentes de espanhóis nascidos no exterior, visando a atrair latino-americanos. Mas o porta-voz disse que em breve se facilitará o acesso à carreira militar a todos os não-espanhóis vivendo na Espanha com o visto de residência - a mesma norma já adotada pelo corpo de choque de elite, denominado de Legião."Além do exame médico básico, haverá uma prova para nos assegurarmos de que todos os recrutas satisfazem certos critérios culturais", indicou. Não foi esclarecido se os recrutas terão de saber falar espanhol. O déficit de recrutamento ocorre apesar de a Espanha ter a mais alta taxa de desemprego - 11,4% - entre as 15 nações da União Européia (UE). "Algo vai mal com o recrutamento", disse na terça-feira o ministro da Defesa, Federico Trillo. "Nossa oferta de trabalho tem de competir com outras ofertas mais atraentes, ou muito mais cômodas, é este o problema." Os recrutas do Exército recebem um soldo básico inicial de ? 650 por mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.