Espanha reduz projeção de déficit orçamentário em 2010

O governo da Espanha aprovou neste sábado o orçamento de 2010, que inclui aumento de impostos para cobrir os gastos maiores do governo por causa da recessão, e reduziu a previsão de déficit orçamentário para o próximo ano.

AE, Agencia Estado

26 de setembro de 2009 | 11h31

Em comunicado, o governo disse que prevê agora um déficit orçamentário em 2010 para o governo central equivalente a 5,4% do Produto Interno Bruto, contra 5,7% previsto anteriormente. A estimativa ainda supera o limite de 3% do PIB para a zona do euro.

O déficit orçamentário total da Espanha, incluindo governos regionais e municipais, deverá ser de 8,1% do PIB em 2010, abaixo da estimativa anterior de 8,1%, disse a ministra das Finanças, Elena Salgado, a jornalistas depois do encontro de gabinete neste sábado.

"O novo orçamento mantém nosso compromisso com os serviços sociais, uma economia produtiva e mantém nosso investimento em pesquisa e desenvolvimento", afirmou ela.

Os gastos na Espanha este ano superaram o orçamento, como resultado das medidas de estímulo e da forte alta do pagamento de auxílio-desemprego. Após o colapso da indústria de construção, quase um em cada cinco trabalhadores espanhóis está desempregado.

A Comissão Europeia, braço executivo da União Europeia, deu à Espanha até 2012 para reduzir o déficit a 3% do PIB. Para ajudar a diminuir o buraco orçamentário, o governo disse que planeja elevar uma série de tributos para adicionar um total de 10 bilhões de euros aos cofres públicos. Em julho de 2010, o governo vai elevar o imposto sobre valor agregado (IVA) geral para 18%, de 16%, e o IVA especial - aplicado a serviços, produção de alimentos e objetos de arte - para 8%, de 7%.

O governo também vai eliminar uma dedução anual no imposto de renda de 400 euros por trabalhador, introduzida no ano passado, e aumentará os tributos sobre ganhos de capital. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
espanhaorçamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.