Enric Fontcuberta/EFE
Enric Fontcuberta/EFE

Espanha registra mais de 2 mil casos pela 1ª vez desde a reabertura

Temor de uma segunda onda faz governos de França e Noruega imporem restrições de viagens aos espanhóis

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de julho de 2020 | 19h10

MADRI - A Espanha registrou nesta sexta-feira, 24, 2,6 mil novos casos de covid-19 em 24 horas, o número mais alto de infecções desde o início da flexibilização da quarentena, no dia 8 de maio. O crescimento faz o governo espanhol temer que o país já esteja vivendo uma segunda onda de contágios.

O número de novos casos desacelerou até junho. Mas, desde então, foram detectados mais de 280 focos, incluindo na Catalunha, região mais afetada. Hoje, os catalães são responsáveis por metade das novas contaminações e voltaram a conviver com restrições de movimento. 

As novas infecções atingem principalmente jovens, o que pode explicar o fato de as taxas de mortalidade continuarem baixas – na sexta foram registrados apenas três óbitos. “Já podemos estar vivendo uma segunda onda na Espanha”, disse María José Sierra, chefe do Centro de Coordenação de Alertas e Emergências Sanitárias do Ministério da Saúde. 

As medidas de restrição foram retomadas depois de novos focos em toda a Espanha, provocados por centenas de jovens que se contagiaram ao ir a festas, bares ou encontros em lugares fechados sem usar máscaras nem manter a distância mínima de segurança. 

Na sexta, o governo catalão ordenou o fechamento de todas as casas noturnas e salões de festas. A ordem entra em vigor hoje e terá validade por duas semanas. “A situação epidemiológica da Catalunha obrigou o governo a adotar medidas especiais de contenção”, explicou, em nota, o governo catalão.

Com o crescimento do número de novos casos diários na Espanha, países europeus começaram a tomar medidas para tentar impedir a importação de infecções. A França passou a aconselhar seus cidadãos a não viajarem para a Catalunha. A Noruega decidiu colocar qualquer pessoa que retornar da Espanha em quarentena por dez dias.

Na semana passada, a França já havia declarado que não descartava a possibilidade de fechar as fronteiras com a Espanha. Na sexta, o premiê francês, Jean Castex, disse que há uma discussão entre os dois países para limitar as viagens. “Aconselhamos aos franceses que evitem viagens para a Catalunha até que a situação melhore.”

Não controlar a pandemia pode significar um desastre para o setor de turismo da Espanha, que responde por cerca de 12% do PIB e iniciou uma tentativa de reabertura em junho. / EFE e AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.