Thomas Samson/AFP
Thomas Samson/AFP

Espanha segue França e Alemanha e expulsa embaixador da Síria

Resposta dos países aconteceu após massacre na cidade de Houla, que matou 108 pessoas, sendo 49 crianças

estadão.com.br,

29 Maio 2012 | 09h15

O governo espanhol decidiu nesta terça-feira, 29, expulsar o embaixador sírio em Madri, Hussam Edin Aala, como resposta à repressão do regime de Bashar al Assad após o massacre de sexta-feira passada na cidade de Houla, informaram fontes diplomáticas.

Veja também:

linkEntenda quem é quem no conflito sírio

linkEnviado da ONU Annan encontra presidente sírio Assad

tabela ESPECIAL: Primavera Árabe

O Ministério de Relações Exteriores e de Cooperação adotou esta medida de forma coordenada com outros países europeus, como França e Alemanha.

Além de anunciar a expulsão da embaixadora da Síria na França, o presidente francês, François Hollande, também havia convocado uma reunião do Grupo de Amigos da Síria após o massacre do fim de semana passado na cidade de Al Houla. A reunião aglutina boa parte da comunidade internacional para apoiar a oposição ao regime de Bashar al  Assad.

As expulsões dos representantes acontecem pouco depois do massacre na cidade de Houla, onde morreram 108 pessoas, das quais 49 eram crianças.

O presidente francês se reuniu ontem, segunda-feira, com o primeiro- ministro do Reino Unido, David Cameron, com quem decidiu aumentar a pressão sobre Damasco.

"A loucura mortífera do regime de Damasco representa uma ameaça para a segurança regional e seus responsáveis deverão responder por seus atos", indicaram os dois líderes, segundo uma nota publicada pela presidência francesa.

Hollande receberá no próximo sábado no Eliseu o presidente russo, Vladimir Putin, principal aliado de Assad na comunidade internacional.

Em entrevista ao jornal "Le Monde", o ministro francês de Exteriores, Laurent Fabius, declarou que a França tentará "endurecer as sanções" contra Damasco no Conselho de Segurança da ONU, onde até agora se chocaram com o veto russo.

Neste sentido, o chefe da diplomacia gala indicou que "é preciso trabalhar com a Rússia, que tem um papel determinante" no caso.  

Com Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.