Pau Barrena/AFP
Pau Barrena/AFP

Espanhóis boicotam produtos feitos na Catalunha

Espumante, cerveja e água têm sido alvo do protesto, que conta com aplicativo para identificar origem da fabricação

O Estado de S.Paulo

27 Outubro 2017 | 18h56

BARCELONA, ESPANHA -  Em meio à crise provocada pelo movimento separatista catalão, espanhóis contrários à secessão criaram uma campanha na internet para boicotar produtos feitos na região autônoma. Até aplicativos para identificar produtos catalães já foram desenvolvidos, mas o impacto da campanha tem sido difícil de mensurar. 

Rajoy dissolve Parlamento da Catalunha e convoca eleições para 21 de dezembro

“Atingiremos os catalães onde dói mais: o bolso”, diz uma página do Facebook que defende o boicote. “Não queremos qure a Espanha se divida.”

O principal alvo é o setor de alimentos. A tradicional cava – o espumante espanhol – é um dos produtos mais boicotados, junto com água mineral, cerveja e até carros produzidos pela Seat, a subsidiária espanhola da Volkswagen. 

Produtos de empresas multinacionais com sede na Catalunha, como a Nestlé e a Unilever, também estão na lista do boicote. 

“Alguns de nossos clientes têm comprado menos e deixam claro que isso acontece por uma questão política”, disse Rosa Rebula, gerente de uma fabricante de espumante em Barcelona. “Principalmente os madrilenhos.”

A Câmara de Comércio de Barcelona e outras entidades patronais catalãs não têm ainda números do impacto do boicote, mas líderes empresariais têm pedido calma. “O boicote precisa parar, ou o sentimento anti-Espanha vai aumentar”, disse o ex-vice-presidente do Parlamento europeu Josep Borrell.

+Entenda: o que significa a declaração de independência da Catalunha?

Muitos empresários dizem que o boicote é inócuo porque empresas catalãs usam matéria prima de outras regiões da Espanha. No caso da cava, as garrafas vem da província de León e as rolhas, de Extremadura. “É um tiro no pé”, disseFrancisco Javier Peinado, da Câmara Industrial de Extremadura. “Se não compram nada da Catalunha, não podemos vender também.”/ AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.