Diego Crespo/Efe
Diego Crespo/Efe

Espanhóis vão atrás de 'sonho brasileiro'

Em dois anos, cerca de 100 mil jovens deixaram a Espanha à procura de trabalho

JAMIL CHADE , ENVIADO ESPECIAL / MADRI, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2011 | 03h01

MADRI - Viajar para o exterior, conseguir um emprego que pague duas ou três vezes mais que em seu país de origem, economizar dinheiro e um dia voltar para comprar uma casa. Esse não é o sonho apenas de latino-americanos, africanos ou asiáticos que emigram em busca de melhores condições. Na Espanha, um êxodo similar cada vez mais faz parte do sonho de vida de milhares de jovens. E uma de suas principais destinações é o Brasil.

Veja também:

linkEspanha vota em meio a crise e conservadores devem vencer

linkConservadores prometem 'resgatar valores' do país

linkEspanha vota em meio a maior crise em 40 anos

tabela COBERTURA ESPECIAL: As eleições na Espanha

Órfãos da pior crise em décadas, eles buscam a sorte também em outros países e já protagonizam um fenômeno que poucos imaginariam há poucos anos: o movimento de imigrantes espanhóis ilegais atrás do "sonho brasileiro".

Nos últimos dois anos, o número de espanhóis que optaram por sair da Espanha bateu a marca de quase 100 mil e o país reverteu a tendência migratória registrada a partir de sua entrada na União Europeia. Um ano antes de a crise assolar a economia espanhola, o país havia recebido 511 mil estrangeiros.

Segundo dados oficiais, a fuga dos espanhóis é cada vez mais intensa e sobe à medida que o desemprego no país aumenta. Entre março e de setembro, o número de emigrados dobrou.

O cônsul brasileiro em Madri, embaixador João Almino, afirmou que terminará o ano concedendo quase mil vistos de trabalho a espanhóis. A entrada da representação brasileira na capital espanhola confirma isso. Constantemente abarrotada, é a prova do interesse pelo Brasil. Na porta, Beatriz contou que conseguiu emprego no Rio de Janeiro, com o Banco Santander, e não disfarçava o entusiasmo.

Segundo a Embratur, o número de espanhóis "visitando" o Brasil subiu em 15% no último ano. Não se sabe quantos seriam os espanhóis clandestinos no Brasil. Mas não restam dúvidas de que a imigração ilegal já uma prática corrente entre os cidadãos do país europeu e seu número é crescente no território brasileiro.

Num farol de Madri, o artista circense Juanjo admite: está guardando dinheiro para ira o Brasil. Questionado se iria primeiro pedir um visto oficial, ele desconversou. "Vou para lá e depois vemos o que ocorre."

O consulado brasileiro afirma que vem tentando coibir essa prática e publicou um anúncio em seu site de que as regras para trabalhar no Brasil "não mudaram". Ou seja, o visto específico ainda é necessário.

A Casa Brasil, em Madri, exemplifica essa tendência: terminará 2011 com mais de 1,5 mil estudantes de português. Há poucos anos, os alunos não chegavam a cem. Alberto González é um desses estudantes e sonha em trabalhar no Brasil. Arquiteto, não encontra emprego depois do colapso do setor imobiliário espanhol. "Acredito que tenho boas chances se for ao Brasil."

A aparição de imigrantes espanhóis ilegais cria, porém, uma saia justa para a diplomacia do Brasil. Anteriormente, o País se queixava porque até 20 brasileiros eram barrados por dia no aeroporto de Madri. Hoje, porém, que a tendência se inverteu, o Itamaraty acredita que retaliar os espanhóis não seria adequado.

Tudo o que sabemos sobre:
EspanhaBrasilcrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.