Espanhol e nicaraguense recebem prêmio de jornalismo de Columbia

Cerimônia realizada na universidade de NY, premiou profissionais cujas reportagens tenham proporcionado melhor entendimento no continente americano

EFE,

29 de outubro de 2010 | 03h33

NOVA YORK - O jornalista espanhol Joaquim Ibarz e o nicaraguense Carlos Fernando Chamorro receberam nesta quinta-feira, 28, junto aos americanos Tyler Bridges e Norman Gall, o Prêmio Maria Moors Cabot por seu trabalho na América Latina, concedido pela escola de Jornalismo da Universidade de Columbia.

 

Em cerimônia realizada na prestigiosa universidade de Nova York, os jornalistas foram agraciados com o mais antigo prêmio internacional de jornalismo, que reconhece profissionais cujas reportagens e trabalho editorial tenham propiciado um melhor entendimento dentro do continente americano.

 

"Embora ainda não penso em me aposentar, este prêmio representa o auge de minha carreira", disse Joaquim Ibarz, que, desde 1982, foi correspondente na América Latina para o diário espanhol "La Vanguardia".

 

Durante seus 28 anos como correspondente nessa região, Ibarz viveu momentos cruciais para a história da América Latina, como o golpe de Estado de Alberto Fujimori no Peru e a deposição de Manuel Zelaya em Honduras.

 

O nicaraguense Carlos Fernando Chamorro, diretor de "Esta noche" e "Confidencial", também viveu as dificuldades de exercer a liberdade de imprensa na Nicarágua.

 

"A Presidência de Daniel Ortega demonstrou ser muito intolerante às críticas da imprensa e todos aqueles que exercem um jornalismo crítico no Nicarágua se transformaram em alvo dos ataques do

governo", afirmou Chamorro.

 

A rádio "Signal FM" do Haiti e o programa "Anderson Cooper 360", da rede "CNN" receberam uma menção especial de Columbia pela cobertura do terremoto no Haiti.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.