Espanhol pega 4 anos por morte de cubanos

O espanhol Ángel Carromero - que conduzia o veículo que bateu numa árvore em 22 de julho nas proximidades da cidade cubana de Bayamo, no acidente que matou os dissidentes Oswaldo Payá e Harold Cepero - foi condenado a 4 anos de cadeia, informou ontem o governo de Cuba. O Tribunal Provincial de Granma considerou o vice-secretário das Novas Gerações do Partido Popular em Madri "responsável pelo delito de homicídio" ao volante.

HAVANA, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2012 | 08h19

O consulado espanhol em Havana recebeu com "relativa satisfação" a "diminuição sensível" da pena em relação à punição pedida pela promotoria cubana, que queria 7 anos de prisão para o líder político conservador. "Tentaremos fazer com que ele possa voltar (à Espanha) de uma forma ou de outra, o quanto antes", disse o cônsul-geral de Madri em Cuba, Tomás Rodríguez-Pantoja. O espanhol poderia ter sido sentenciado a até 20 anos.

O diplomata afirmou que o fato de Carromero ter sido condenado a menos de 5 anos abre um "leque de possibilidades" para a aplicação de um convênio bilateral entre Espanha e Cuba que permitiria um acordo para que o espanhol cumpra a pena em seu próprio país. Havana afirmou que ainda cabe "recurso de cassação (da sentença)".

Assim como Carromero, o democrata-cristão sueco Jens Aron Modig ficou ferido no acidente. Seu retorno à Suécia foi permitido depois que ele se desculpou publicamente por ter entregue 4 mil a dissidentes cubanos enquanto estava na ilha.

No dia 4, véspera do julgamento do espanhol, a blogueira cubana e colunista do Estado Yoani Sánchez foi presa quando estava a caminho do tribunal, onde tentaria cobrir o processo, e ficou 30 horas detida. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.