Especialista da ONU diz que Cuba não melhorou em questão de direitos humanos

Cuba não está melhor em matéria de direitos humanos, disse nesta terça-feira uma especialista da Organização das Nações Unidas (ONU), citando a censura de imprensa, a detenção de ativistas políticas e as restrições aos partidos ainda existentes na ilha comunista."Para dizer com suavidade...a situação não pode ser descrita hoje como melhor que antes", disse Christine Chanet em declarações ao Conselho de Direitos Humanos da ONU, formado por 47 nações.Pouco depois da leitura, o governo de Cuba considerou o informe "difamatório" e acusou Chanet de manipulação política e de usar critérios seletivos.Chanet, uma advogada francesa que recebeu seu mandato da antiga Comissão de Direitos Humanos, disse que as autoridades de Cuba se recusaram a cooperar com ela durante sua investigação.No entanto, ela afirmou que conseguiu coletar informações suficientes com outros especialistas, entre eles membros da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, com as quais elaborou algumas recomendações.Entre elas, o fim da perseguição de inimigos do regime comunista, a eliminação de leis que proíbem a liberdade de expressão e de movimento e permissão para que organizações de direitos humanos ingressem e trabalhem em Cuba.O embaixador de Cuba na ONU em Genebra, Juan Fernández Palacios, respondeu ao informe afirmando que a maior contribuição que Chanet poderia dar aos direitos humanos seria renunciar a seu cargo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.