Especialistas discutem causas do maior blecaute da história

Enquanto pelo menos 20 usinas desligadas por segurança voltavam aos poucos a se reintegrar à produção de energia elétrica, autoridades e especialistas dos EUA e Canadá tentavam entender as causas do maior blecaute da história americana. Há indicações crescentes de que o problema pode ter começado no estado de Ohio, no meio-oeste dos EUA, e não em Nova York ou no Canadá, como de início se pensou. O governo canadense afirmara que tudo começou do lado americano, mas divulgou pelo menos três hipóteses diferentes: primeiro, a de incêndio em uma estação elétrica perto da cidade de Niagara, no estado de Nova York; depois, um incêndio provocado por um relâmpago, tam?bem emNiagara; e, por último, um incêndio em uma usina na Pensilvânia. O próprio governador de Nova York, Jack Murphy, no entanto, contestou em seguida a primeira tese afirmando que ?a central elétrica (de Niagara) não foi atingida por nenhum raio? e, embora tenha admitido que houve uma queda inicial em sua produção energética após o início do apagão, informou agora ela já está funcionando ?regularmente?. Ele acrescentou que autoridades americanas investigam a possibilidade de que problemas na transmissão de energia do Canadá tenham provocado o blecaute. Os dois países usam a mesma rede de energia. O único ponto em que as autoridades dos dois lados da fronteira concordam é em considerar o incidente como uma falha no sistema e não como um ato de sabotagem. Ainda que tivesse sido realmente um ataque, parece puco provável que os terrositas tivessem atingido seus objetivos. Houve poucos casos de pânico, violência ou ameaças à ordem pública ou à segurança, apesar da velocidade e do alcance do apagão, com a manutenção em funcionamento das instituições-chave, que recorreram a fontes alternativas de energia.Desde que foi conhecido o alcance da falha, o Departamento de Segurança Interna americano se preparou para uma resposta de emergência com equipes destinadas a dar assistência a qualquer estado ou cidade que a requeresse. Mas tal assistência não foi solicitada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.