Especialistas nucleares americanos deixam a Coreia do Norte

Com saída de inspetores da ONU e dos EUA, comunidade internacional não tem meios para monitorar Pyongyang

Agência Estado e Associated Press,

17 de abril de 2009 | 10h44

Os quatro especialistas americanos que monitoravam o programa nuclear da Coreia do Norte deixaram o país comunista nesta sexta-feira, 17, depois de terem sido expulsos pelo governo. Os americanos desembarcaram em Pequim em voo procedente de Pyongyang e recusaram-se a conversar com jornalistas. A saída deles ocorre apenas um dia depois da partida dos inspetores nucleares da Organização das Nações Unidas (ONU), que também foram expulsos pelo governo local.

 

Veja também:

linkGilles Lapouge: Coreia do Norte põe em risco sonho de Obama

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

A expulsão de todos os inspetores estrangeiros deixa a comunidade internacional sem meios de monitorar as instalações nucleares norte-coreanas, capazes de produzir plutônio para uso em armas caso sejam religadas. A Coreia do Norte comunicou esta semana à AIEA que está reativando seu programa nuclear e anunciou que boicotará "para sempre" as negociações multilaterais sobre seu desarmamento.

 

A decisão norte-coreana é uma reação à repreensão do Conselho de Segurança (CS) da ONU a um lançamento de foguete realizado por Pyongyang na semana passada. O CS da ONU condenou por unanimidade o disparo de foguete efetuado pela Coreia do Norte em 5 de abril por considerá-lo uma violação a resoluções da entidade e intensificou as sanções contra Pyongyang.

 

A Coreia do Norte afirma ter enviado ao espaço sideral um foguete transportando um satélite experimental de telecomunicações. Os Estados Unidos, o Japão e a Coreia do Sul acusaram Pyongyang de ter promovido um teste ilícito de tecnologia utilizável em mísseis balísticos intercontinentais.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.