Especialistas se reúnem pela manhã para decidir sobre o coma de Sharon

A trajetória de Ariel SharonO estado de saúde do primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, teve uma "ligeira melhora", mas continua crítico. Foi o que informou, neste sábado, em Jerusalém o Hospital Hadassah Ein Kerem, onde Sharon está internado desde a noite de quarta-feira, quando sofreu um derrame cerebral.O primeiro-ministro continua em coma profundo, induzido por medicamentos. Shlomo Mor-Yosef, diretor do hospital, informou que uma junta de especialistas se reunirá neste domingo pela manhã para interpretar as imagens de tomografia e tentar reunir elementos para uma tomada de decisão crucial: quando começar a reduzir os analgésicos, para que Sharon possa voltar de seu coma.Esse estado mantém baixa a pressão sangüínea do cérebro, evitando novas hemorragias, que foram contidas e drenadas, ao longo dos últimos dias, com três cirurgias que totalizaram cerca de 16 horas. "Só quando reduzirmos a profundidade do coma poderemos avaliar, pela resposta dele a estímulos, qual a extensão do dano causado ao cérebro. Se ele não reagir, será um sinal muito ruim", disse Mor-Yosef, em entrevista coletiva logo depois de encerrado o Shabath, o descanso semanal judaico.Diante das insistentes perguntas dos jornalistas sobre como Sharon deve voltar do coma, o médico reiterou: "Não temos como responder isso agora. Por ora, estamos concentrados em salvar a vida do primeiro-ministro." Mor-Yosef deixou claro que as próximas 24 horas seriam decisivas.Segundo o médico, a equipe está otimista quanto às chances de sobrevivência de Sharon, que completa 78 anos em fevereiro.Especialistas não envolvidos diretamente no caso têm declarado que é extremamente improvável que Sharon, que acaba de fundar um partido e se preparava para concorrer ao terceiro mandato, em 28 de março, possa voltar à atividade política.Mor-Yosef disse que sua equipe está em contato permanente com "grandes especialistas do mundo", que têm auxiliado, à distância, na condução do caso.DescuidoDepois de haver sofrido um leve derrame no dia 18, voltando a trabalhar três dias depois, Sharon sofreu novo acidente vascular cerebral na noite de quarta-feira, quando descansava no seu Rancho Sicamores, no Deserto do Neguev, a uma hora de carro de Jerusalém. Apesar do incidente do dia 18, e de Sharon estar-se preparando para realizar um cateterisma no dia seguinte, para tapar um buraco entre as câmaras superiores do coração, por onde provavelmente o primeiro coágulo passara, o primeiro-ministro não estava acompanhado de médico, mas apenas de um enfermeiro de sua equipe de segurança, nem tinha um helicóptero à disposição.A situação tem sido criticada em Israel, como uma maneira pouco prudente de tentar transparecer que Sharon estava bem de saúde, no começo da corrida eleitoral.Também há dúvidas sobre a conveniência de tê-lo medicado com anticoagulantes, que aumentam o risco de hemorragias, para dissolver o coágulo depois do primeiro derrame. Sob um frio de 10 graus, ameno, porém, para os padrões do inverno israelense, um batalhão de jornalistas dava plantão à frente do hospital no fim da tarde de sábado.Tristeza no arApesar da notável popularidade de Sharon, não tem havido vigília de admiradores à frente do hospital. Mas a consternação era visível entre israelenses que entravam e saíam, em visita a parentes internados. "Como todos, também fico pensando no que acontecerá se ele morrer", disse Leol Maoim, de 40 anos, segurança da companhia telefônica Bezeq. "Colocamos nas mãos de Deus. Se ele puder voltar, será bom para todos. Queremos que Sharon faça a paz." Segundo Maoim, até seus colegas palestinos na empresa dizem que seria bom se eles tivessem um líder como Sharon. "Todos sentimos que nosso país depende de uma pessoa que está muito doente", disse Tali Skela, estudante de comunicação de 23 anos. "Não sabemos como será o futuro do nosso país. Estamos com muita esperança de que ele melhore, mas não acreditamos que ele possa voltar a ser primeiro-ministro."O vácuo de liderança deixado por Sharon é resumido assim por Tali: "Não achamos que haja alguém que possa substituí-lo. Ele é único." Não que haja unanimidade sobre as ações de Sharon, sobretudo a controvertida retirada da Faixa de Gaza, em agosto e setembro do ano passado. "A Torá diz que não se deve devolver terra israelense", pondera o ultra-ortodoxo Yaheel Yehusha Goldberg, de 20 anos, aluno de uma yeshiva, as escolas dedicadas ao estudo do livro sagrado judaico. "Por outro lado, ela diz também que os judeus não devem viver em lugares que lhes ofereçam perigo."Os cerca de 8.500 colonos judeus expulsos de Gaza e outras dezenas de milhares de assentados que correm o mesmo risco na Cisjordânia são menos condescendentes, mas eles representam uma minoria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.