Cooper Neill/The New York Times
Cooper Neill/The New York Times

Especialistas sugerem a Biden que EUA mudem estratégia de combate à pandemia

Ex-conselheiros do presidente acreditam que país deve se ajustar ao 'novo normal'

Sheryl Gay Stolberg, The New York Times, O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2022 | 19h56

NOVA YORK - Conselheiro de Joe Biden antes de sua vitória nas eleições presidenciais americanas de 2020, o médico Ezekiel Emanuel acredita que o país deve se ajustar ao “novo normal” e aprender a conviver com o vírus. 

Ao lado de cinco outros ex-conselheiros, Emanuel veio a público com uma crítica extraordinária, embora educada, e um apelo. Em três artigos de opinião publicados na quinta-feira no Journal of the American Medical Association, eles pedem que Biden adote uma estratégia de combate à pandemia inteiramente nova – voltada para o "novo normal" de viver com o vírus indefinidamente, não à eliminação da covid.

O conselho consultivo de especialistas havia deixado de existir oficialmente no dia da posse de Biden. Mas seus membros continuaram a se reunir regularmente durante o Zoom, onde suas conversas muitas vezes se transformaram em desabafos de frustração com a resposta de Biden ao coronavírus.

O grupo é formado por grandes nomes da medicina americana. Vários, incluindo Luciana Borio, ex-cientista-chefe interina da Food and Drug Administration, e David Michaels, ex-chefe da Occupational Safety and Health Administration, ocuparam cargos de alto escalão no governo. Emanuel, um oncologista, especialista em ética médica e professor da Universidade da Pensilvânia que também aconselhou o ex-presidente Barack Obama, é a força motriz por trás dos artigos. 

Eles dizem que a primeira coisa que o governo precisa fazer é ampliar sua visão, reconhecendo que a covid-19 veio para ficar. Em um artigo, Emanuel e dois co-autores –  Michael T. Osterholm, epidemiologista da Universidade de Minnesota, e Celine Gounder, especialista em doenças infecciosas da Universidade de Nova York – notam claramente que, em julho, Biden proclamou que “nós ganhamos a vantagem contra esse vírus”, o que, em retrospecto, claramente não era o caso.

Agora, com a variante Ômicron alimentando um novo surto dramático, eles escrevem, os Estados Unidos devem evitar ficar presos em “um perpétuo estado de emergência”. O primeiro passo, escreveram Emanuel, Osterholm e Gounder, exige o reconhecimento de que o coronavírus é um dos vários vírus respiratórios que circulam e o desenvolvimento de políticas para lidar com todos eles juntos.

Para se preparar melhor para os surtos inevitáveis, eles sugerem que o governo estabeleça metas e parâmetros específicos, incluindo o número de hospitalizações e mortes por vírus respiratórios, incluindo o coronavírus, que devem desencadear medidas emergenciais.

“De uma perspectiva macro, parece que estamos sempre lutando contra a crise de ontem e não necessariamente pensando no que precisa ser feito hoje para nos preparar para a que vem a seguir”, disse Borio em uma entrevista.

Biden publicou uma estratégia contra a pandemia quando assumiu o cargo e recentemente lançou uma nova, assim que a variante Ômicron começou a se espalhar pelos Estados Unidos. Muitas das medidas que os autores sugerem –  incluindo desenvolvimento mais rápido de vacina, coleta de dados “abrangentes, digitais e em tempo real” pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças; e um corpo de “agentes comunitários de saúde pública” –  já fazem parte de seus planos.

Mas os autores dizem que o governo precisa reconhecer que a Ômicron pode não marcar o fim da pandemia –  e planejar um futuro que eles admitem ser desconhecido. Eles também deixam claro que a taxa atual de hospitalizações e mortes por covid é inaceitavelmente alta.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse a repórteres na quinta-feira que não havia lido os artigos e rejeitou a questão sobre se o presidente "está aceitando" que a covid-19 veio para ficar.

“O objetivo do presidente é derrotar o vírus”, disse ela, acrescentando: “O foco e o objetivo do presidente agora é salvar o maior número de vidas possível”.

Nos três artigos –  um que propõe um novo plano nacional, os outros que sugerem melhorias na testagem, vigilância, vacinas e terapêutica –  os autores também apresentam sugestões mais específicas.

Eles pedem que todas as pessoas nos Estados Unidos tenham acesso a testes de baixo custo, dizendo que a compra de 500 milhões de testes rápidos pelo governo Biden não é suficiente; que vacinas anticovid da próxima geração visem novas variantes ou tomem novas formas, como sprays nasais ou adesivos para a pele; e o desenvolvimento de uma “vacina universal de coronavírus” que combata todos os coronavírus conhecidos, além de grandes atualizações na infraestrutura de saúde pública.

Os autores também disseram que as prescrições de vacinas devem ser impostas de forma mais ampla, incluindo para crianças em idade escolar, e que as máscaras N95 devem ser disponibilizadas gratuitamente e para todos os americanos, assim como os tratamentos orais para covid. Os autores também pediram uma ampla “plataforma de certificação eletrônica de vacinas”, à qual Biden resistiu.

Em entrevistas, os autores disseram que comunicaram suas opiniões aos funcionários de Biden, mas às vezes se sentiram inauditos. Os artigos refletem suas frustrações e seu desejo de ajudar, eles disseram. Eles também reconhecem que podem se dar ao luxo de ter uma visão de fora, enquanto especialistas da administração atual estão trabalhando duro nas trincheiras.

"Mas, ao mesmo tempo, achamos que ainda há muito trabalho a ser feito", disse Rick Bright, executivo-chefe do Instituto de Prevenção da Pandemia da Fundação Rockefeller, que liderou uma agência biomédica federal durante a administração Trump e escreveu duas das peças.

Gounder disse que ficou desapontada com o "enfoque único das vacinas" da administração e com a ênfase cada vez menor no uso de máscaras. Borio disse que está "muito frustrada" por não haver um sistema federal que vincule os testes aos tratamentos, de modo que as pessoas com resultado positivo e com alto risco de complicações de covid possam obter prescrições imediatas de novos medicamentos antivirais. Emanuel ecoou esse sentimento, dizendo em uma entrevista que se a distribuição de novas terapias fosse deixada para "o sistema de saúde usual", apenas "pessoas ricas e bem relacionadas" teriam acesso a elas.

Bright relembrou o aviso que ele emitiu quando o conselho consultivo teve sua última reunião em 20 de janeiro de 2021.

“A última coisa que eu disse”, disse ele, “é que nossas vacinas vão ficar mais fracas e, eventualmente, falhar. Devemos agora nos preparar para as variantes, temos que colocar um plano em prática para atualizar continuamente nossas vacinas e nossos diagnósticos para que possamos detectar isso cedo, porque essas variantes virão.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.