'Espionagem do Brasil é pobre', diz diplomata dos EUA

Para Thomas Shannon, embaixador em Brasília até setembro, inteligência brasileira está abaixo das ambições globais do País

CLÁUDIA TREVISAN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2013 | 02h00

O Brasil tem um serviço de inteligência pobre, que não está à altura de suas ambições globais, afirmou ontem Thomas Shannon, ex-embaixador americano no País. Segundo ele, os EUA podem ser um "parceiro útil" para os brasileiros no processo de construção desse sistema, que será cada vez mais necessário na medida em que o país amplie sua presença global e seja sede de eventos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas.

"Há muitas pessoas interessadas no que está ocorrendo dentro do Brasil, que é alvo de ataques cibernéticos diários", declarou Shannon em palestra sobre a relação bilateral no Brazil Institute, do Wilson Center, em Washington.

Documentos revelados pelo ex-técnico da Agência de Segurança Nacional (NSA) Edward Snowden mostraram que os Estados Unidos monitoraram comunicações de cidadãos brasileiros e da presidente Dilma Rousseff, o que levou ao cancelamento da viagem que ela faria a Washington em outubro.

Entusiasta da relação bilateral e um dos maiores especialistas em Brasil na diplomacia americana, Shannon se disse frustrado com a interrupção do diálogo entre os dois países provocada pela divulgação dos documentos da NSA. A expectativa de seu governo é que ele seja retomado no início do próximo ano, depois de a Casa Branca concluir o trabalho de revisão das atividades de seu serviço de inteligência.

Os EUA anunciaram que estão prontos para discutir uma nova data para a visita de Dilma, mas Shannon acredita que o Brasil precisa de mais tempo para dar uma resposta. "O Brasil está esperando para ver o que podemos oferecer e como poderemos avançar."

Segundo ele, os EUA apreciaram a maneira pela qual o governo brasileiro lidou com a carta de Snowden endereçada à população do País, na qual ele oferece ajuda nas investigações sobre a NSA e sugere a necessidade de asilo político.

"Apesar de criar desafios, as revelações abriram a oportunidade para os dois países repensarem sua relação de inteligência", ressaltou. "Nossa esperança é que eles (os brasileiros) reconheçam que têm um parceiro útil em nós, e precisarão olhar além das preocupações imediatas provocadas por Snowden para construir essa parceria", afirmou Shannon, em relação à cooperação nessa área.

A aprovação de resolução da ONU que estende à internet a proteção da privacidade prevista na Declaração Internacional dos Direitos Humanos foi apontada por Shannon como um exemplo de diálogo possível entre os dois países.

Apresentada por Brasil e Alemanha, a proposta foi modificada para contemplar posições americanas, o que permitiu sua aprovação por unanimidade. "Nós reconhecemos a importância da privacidade e de uma internet que é vista como um bem público global, que precisa ser protegido."

Apesar de reconhecer a seriedade e o impacto das revelações de Snowden, Shannon ressaltou que elas não podem dominar a relação bilateral. Sem citar nomes, o diplomata avaliou que seu peso foi exagerado por razões políticas, "não pelos próprios brasileiros", mas por pessoas ligadas a Snowden.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.