Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Espionagem dos EUA não tinha dados sobre armas iraquianas

O serviço de informações do Departamento de Defesa dos Estados Unidos relatou, em setembro último, que não dispunha de evidências confiáveis de que o Iraque possuía agentes químicos próprios para serem usados como armas, disseram autoridades. Na mesa época, o secretário da Defesa, Donald H. Rumsfeld, e outros funcionários do governo americano argumentavam que Saddam Hussein possuía armas químicas, biológicas e nucleares e as estava escondendo.Dois meses depois que os grandes combates no Iraque terminaram, os EUA ainda não encontraram nenhuma das supostas armas de destruição em massa, apesar de expressarem confiança de que elas serão descobertas. Em seu relatório em setembro, a Agência de Inteligência de Defesa (DIA, por sua sigla em inglês) alegou que não conseguira encontrar informação confiável de que o Iraque dispusesse de qualquer arma química pronta para ser usada no campo de batalha. Mas a agência também considerou que o Iraque provavelmente tinha arsenais de agentes químicos para uso bélico.A existência do relatório da foi revelada pela U.S. News & World Report e um resumo secreto foi divulgado pela Bloomberg News. Dois oficiais do Pentágono que leram o resumo confirmaram hoje que a DIA não tinha evidências sobre as supostas armas químicas iraquianas. A análise da DIA é apenas uma peça do mosaico que Rumsfeld e outros funcionários da administração poderiam considerar para apresentar seu caso sobre a capacidade das armas químicas e biológicas do Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.