REUTERS/Kevin Lamarque
REUTERS/Kevin Lamarque

Espionagem eleitoral pode ser 'um dos maiores escândalos' dos EUA, diz Trump

Presidente americano intensifica ataque à investigação sobre suposto conluio de sua campanha com a Rússia e diz que FBI foi flagrado ao tentar obter informações de membros de sua campanha à presidência, em 2016

O Estado de S.Paulo

23 Maio 2018 | 17h20

WASHINGTON - O presidente americano, Donald Trump, intensificou nesta quarta-feira, 23, seus esforços para desacreditar a investigação sobre o suposto conluio de sua campanha com Moscou, liderada pelo procurador especial Robert Mueller, e afirmou que o FBI foi flagrado em um "escândalo de espionagem". "O spygate pode ser um dos maiores escândalos políticos da história", escreveu Trump no Twitter.

Segundo o ex-diretor do FBI James Comey, demitido por Trump no ano passado, o uso de informantes secretos pela agência era "rigidamente regulado e essencial para proteger o país". Comey tuitou sobre as críticas ao FBI, afirmando que os ataques "causam danos permanentes" ao país.

+ Juíza americana proíbe Trump de bloquear usuários no Twitter

O caso envolve um informante de longa data do governo dos EUA que teria abordado membros da campanha de Trump em uma possível tentativa de coletar informações sobre os esforços russos de influenciar no resultado da eleição.

Agora, Trump e membros do Partido Republicano exigem que dados sobre o informante sejam divulgados, alegando que sua atuação poderia ser uma prova de que o governo de Barack Obama tentou espionar a campanha republicana por razões políticas. A Casa Branca negociou o acesso a documentos confidenciais com aliados do governo, e sua divulgação é aguardada para quinta-feira.

+ Equipe de Trump quer data limite em inquérito sobre obstrução de Justiça

"Vejam como as coisas mudaram de lugar", escreveu o presidente no Twitter. "Eles foram atrás de um falso conluio com a Rússia, de um esquema inventado, e acabaram pegos no maior escândalo de espiões que este país talvez jamais tenha visto!", acrescentou.

+ EUA não tolerarão interferência russa nas eleições de 2018, diz secretário de Estado

Trump fez estes comentários de Trump um dia depois de ter se recusado a dizer se confia no vice-procurador-geral Rod Rosenstein. Durante o fim de semana, o presidente exigiu que o Departamento de Justiça investigasse a suposta infiltração do FBI em sua campanha à presidência de 2016. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.