Esposa de líder do Estado Islâmico é detida no Líbano

Autoridades libanesas detiveram a esposa e um suposto filho do líder do grupo Estado Islâmico. Segundo informações divulgadas por dois graduados funcionários do governo libanês nesta terça-feira, a mulher tem sido interrogada. Um militar disse que a mulher e a criança foram detidos cerca de dez dias atrás, com documentos falsos.

Estadão Conteúdo

02 de dezembro de 2014 | 10h09

As duas fontes, que falaram em condição de anonimato, recusaram-se a dar mais detalhes sobre a mulher, que acreditam ser uma das esposas de Abu Bakr al-Baghdadi, o recluso líder do grupo. Segundo o oficial militar, a mulher é cidadã síria.

O anúncio foi feito em meio a tentativas de se chegar a um acordo para troca de prisioneiros entre autoridades libanesas, o Estado Islâmico e a Frente Nusra, braço da Al-Qaeda, que mantém mais de 20 soldados e policiais libaneses como reféns desde agosto.

Os grupos exigem a libertação de prisioneiros islamitas mantidos por autoridades libanesas. Na noite de segunda-feira, a Frente Nusra ameaçou matar um dos soldados mantido pelo grupo.

A prisão da esposa do líder do Estado Islâmico pode ser usada como moeda de troca pelas autoridades libanesas na tentativa de conseguir a libertação dos soldados.

Um funcionário do Judiciário disse que o interrogatório da mulher é supervisionado pelo promotor militar do Líbano, Saqr Saqr. Ele disse também que um exame de DNA é realizado para confirmar se o menino é filho da mulher.

O diário libanês As-Safir foi o primeiro a divulgar a informação, dizendo que os dois foram detidos perto de um posto de fronteira com a Síria. Segundo o jornal, a detenção aconteceu como resultado do trabalho coordenado "com agências de inteligência estrangeiras".

Sabe-se muito pouco a respeito da vida pessoal de al-Baghdadi, o que inclui informações sobre quantas esposas e filhos ele tem. Interpretações conservadores do islamismo permitem que um homem se case com até quatro mulheres.

Acredita-se que a primeira esposa de Al-Baghdadi seja a cidadã iraquiana Saja al-Dulaimi, que foi detida por autoridades sírias e trocada por um prisioneiros da Frente Nusra no início deste ano.

Em março, a Frente Nusra libertou mais de dez freiras gregas ortodoxas, encerrando um sequestro de quatro meses, em troca da libertação de dezenas de prisioneiras sírias. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.