EFE/ Andy Rain
EFE/ Andy Rain

Esquerda britânica abre porta para 2º plebiscito sobre Brexit 

Emenda dos trabalhistas tem poucas chances de ser aprovada, mas foi considerada um passo significativo para inflar a campanha que visa dar aos eleitores uma chance de reconsiderar sua decisão de sair da União Europeia 

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2019 | 19h35

LONDRES - O líder do opositor Partido Trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, propôs nesta terça-feira, 22, uma série de votos não vinculantes ao Parlamento que abriram caminho para um segundo plebiscito sobre o Brexit

A emenda tem poucas chances de ser aprovada, mas foi considerada um passo significativo para inflar a campanha que visa dar aos eleitores uma chance de reconsiderar sua decisão de sair da União Europeia

Em uma rara decisão de vincular seu nome a uma proposta sobre o tema na Câmara dos Comuns, Corbyn apresentou emendas que dão à Casa opções de como o Reino Unido poderia evitar um Brexit sem acordo, o chamado “Brexit duro”. 

Uma delas é o novo plebiscito. A emenda deve ser votada na próxima terça-feira, 29, em uma manobra para tentar usar o Parlamento para retirar o controle sobre o Brexit das mãos da primeira-ministra Theresa May.

Com o prazo de 29 de março se aproximando, o Reino Unido está em sua mais profunda crise política em meio século, em meio ao impasse sobre como proceder com a saída da União Europeia, bloco que passou a integrar em 1973. 

Desde que o acordo da primeira-ministra para o divórcio com a UE foi rejeitado na semana passada, os parlamentares vem tentando achar uma saída para a crise, sem sucesso. 

A proposta apresentada pelos trabalhistas visa forçar o governo a dar tempo ao Parlamento para elaborar e votar em opções que evitem a saída sem acordo, incluindo uma união aduaneira com a União Europeia, além do segundo plebiscito. 

“Está na hora de o plano alternativo dos trabalhistas ocupar o centro do palco, enquanto todas as opções são mantidas sobre a mesa, incluindo a do voto popular”, disse Corbyn. Foi a primeira vez que o principal partido de oposição britânico levou adiante no Parlamento a possibilidade de uma segunda votação, o que foi muito saudado pelos opositores do Brexit. 

No entanto, o partido disse que não necessariamente apoia a ideia de um novo plebiscito e parlamentares alertaram que a emenda pode não ganhar o apoio da Casa. 

Um novo plebiscito levaria meses para ser organizado, fazendo com que a saída do Reino Unido da União Europeia tivesse de ser adiada. / REUTERS e W. POST 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.