EFE/Ettore Ferrari
EFE/Ettore Ferrari

Esquerda busca brecha para voltar ao poder na Itália

Partido Democrático e Movimento 5 Estrelas negociam coalizão caso premiê renuncie e haja condições de se formar novo governo

Redação, O Estado de S.Paulo

19 de agosto de 2019 | 21h01

ROMA - O Partido Democrático da Itália (PD), de oposição, teve nesta segunda-feira, 19, contatos com o governista Movimento 5 Estrelas par a formar uma coalizão de governo, revelou uma fonte do PD – aliança de vários partidos de centro-esquerda formada em 2007.

O Movimento 5 Estrelas, atual parceiro no governo do partido de extrema direita Liga, disse que apresentará uma moção de desconfiança que pode levar à queda do primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, e à convocação de eleições antecipadas.

Conte deve falar amanhã a respeito da crise política ao Senado. Ele pode apresentar sua renúncia ou esperar que uma votação parlamentar formal o afaste. O Movimento 5 Estrelas não quis comentar o andamento das conversas com o Partido Democrático, dizendo que aguarda para ouvir o discurso de Conte.

Se Conte renunciar, o presidente Sergio Mattarella iniciará consultas com todos os partidos para ver se é possível compor um novo governo. Caso contrário, o presidente terá de dissolver o Parlamento e convocar novas eleições nacionais, cerca de três anos e meio antes do prazo.

O líder do PD, Nicola Zingaretti, disse hoje que seu partido quer ver ou a formação de um “governo forte” com respaldo para reformar a Itália ou uma votação antecipada, descartando a possibilidade de um governo provisório.

A Itália não faz uma eleição no outono (do Hemisfério Norte) desde a 2.ª Guerra, pois os últimos meses do ano são tradicionalmente dedicados à elaboração do orçamento – um momento-chave para um país com uma das maiores dívidas públicas do mundo.

A crise foi desatada pelo ministro do Interior e líder da Liga, Matteo Salvini, que em pleno verão, com os parlamentares de férias, anunciou que a coalizão com o 5 Estrelas já não se sustentava e pediu a primeira moção de desconfiança contra Conte. Ele esperava a convocação de eleições para governar sozinho, uma vez que seu desempenho na última votação foi melhor que o do 5 Estrelas. 

Tanto o 5 Estrelas quanto o opositor PD rejeitaram na semana passada a moção de censura de Salvini e começaram a negociar entre eles, apesar de antigas diferenças, uma maioria parlamentar de esquerda e a possível formação de uma aliança de governo.

Ninguém se atreve a prever o que pode ocorrer amanhã, mas, caso Conte renuncie, Mattarella pode explorar um possível acordo M5S-PD ou reeditar a atual coalizão com a Liga, algo que não desagrada tanto a Salvini, que já deixou claro que não deixará o Ministério do Interior. / REUTERS e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.