AFP PHOTO / PHILIPPE HUGUEN
AFP PHOTO / PHILIPPE HUGUEN

Esquerda francesa lidera protestos contra reformas de Macron

Organizadores esperavam que os protestos levassem a uma onda de oposição contra as reformas do presidente no serviço público francês e em algumas empresas públicas

O Estado de S.Paulo

26 Maio 2018 | 18h53

PARIS - O principal partido de extrema esquerda francês, a radical central sindical CGT, e outras 80 organizações lideraram neste sábado, 26, milhares de pessoas em protestos de rua no país contra as reformas do presidente Emmanuel Macron no setor público.

Os organizadores esperavam que os protestos levassem a uma onda de oposição contra as reformas de Macron no serviço público francês e em algumas empresas públicas como a muito endividada companhia ferroviária nacional, a SNCF.

+ Em um ano, Macron impõe reformas e vê sua popularidade cair

Representantes sindicais e a polícia deram números bastante diferentes para os protestos. A CGT afirmou que 80 mil pessoas participaram da manifestação em Paris, e 250 mil estiveram nas ruas em todo o país. A polícia, contudo, disse que o protesto atraiu 21 mil pessoas em Paris. A participação foi menor do que os 320 mil de um protesto nacional em março.

“Nós vamos levar uma mensagem, e essa mensagem deve ser ouvida pelo teimoso Emmanuel Macron”, afirmou Jean-Luc Mélenchon, líder da extrema esquerda, em manifestação em Marselha.

Mélenchon listou várias reivindicações, entre elas a falta de funcionários em hospitais, a falta de vagas em universidades e a falta de policiamento. O governo diz que não há recursos.

“Não acreditamos em você por que você está mentindo”, disse Mélenchon. Ele afirmou que o governo havia dado € 4,5 bilhões em insenções fiscais para os ricos. “O país é rico. O país deve compartilhar”, declarou ele.

Manifestações eram esperadas em pelo menos 160 locais da França, disse Philippe Martinez, da CGT. O ministro do Interior da França, Gérard Collomb, disse que a polícia teve de intervir em Paris depois que um grupo de manifestantes encapuzados tentou destruir um banco. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.