Esquerda mexicana intensifica protestos no início da recontagem

Autoridades eleitorais mexicanas trancaram-se nesta quarta-feira para iniciar uma recontagem parcial dos votos das eleições presidenciais de 2 de julho enquanto simpatizantes do candidato esquerdista Andrés Manuel López Obrador protestavam diante da sede de pelo menos dois bancos na Cidade do México.Cerca de 200 juízes e magistrados mexicanos auxiliados por funcionários de distrito e observadores de partidos começaram a apuração de 9% das 130 mil urnas eleitorais eleitorais instaladas nas eleições presidenciais de julho. A apuração parcial dos votos em 11.839 mesas eleitorais das 130.477 instaladas para o pleito presidencial começou às 9h (11h de Brasília). A recontagem abrangerá somente as urnas onde foram constatados indícios de irregularidade e soldados armados vigiarão os locais de recontagem.A medida ordenada pelo Tribunal Eleitoral do Poder Judiciário da Federação (TEPJF) afeta 149 dos 300 distritos eleitorais nos quais o país foi dividido para as eleições e será implementada em 26 dos 32 estados mexicanos. Na maioria destes, a vantagem foi de Felipe Calderón, do Partido da Ação Nacional (PAN).Os encarregados da apuração têm prazo máximo de cinco dias, até a meia-noite de domingo, para concluir o trabalho e apresentar os resultados.O estado de Jalisco, no oeste do país, é o que possui casos de recontagem de votos, com 2.705 mesas eleitorais, seguido de Baixa Califórnia (1.138), Tamaulipas (942), Sonora (802), Chihuahua (727) e Nuevo León (508), ao norte do país.Segundo a apuração oficial anunciada pelo Instituto Federal Eleitoral (IFE) em 6 de julho, o conservador Calderón obteve 234.934 votos a mais que o candidato da esquerda Andrés Manuel López Obrador, o que representa uma diferença de apenas 0,58 ponto percentual.Vários analistas consideram que a apuração representa uma amostra suficiente para poder determinar se houve fraude na eleição presidencial, que foi impugnada pela coalizão "Pelo Bem de Todos" de López Obrador.Resistência civil O político da oposição desqualificou a atuação do IFE, e acusou a instituição de ter organizado uma fraude para dar a vitória a Calderón.Além disso, Obrador lançou uma campanha de resistência civil "pacífica" que mantém o tráfego na capital mexicana engarrafado devido ao bloqueio de oito quilômetros das vias do Paseo de la Reforma, uma importante avenida da capital.Nesta quarta-feira, os partidários de López Obrador se concentram na frente dos bancos mais importantes do México pedindo uma apuração total dos votos, recusada há cinco dias pelo Tribunal Eleitoral.Na terça-feira, o coordenador da coalizão "Pelo Bem de Todos", Guadalupe Acosta, anunciou que as ações de resistência deixarão a capital e vão se espalhar por todo o país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.