Está pronto calendário de retorno da Mir

A agência espacial russa divulgou nesta terça-feira o calendário definitivo para a reentrada na atmosfera da estação orbital Mir e informou que a operação será realizada na sexta-feira, após seis horas de procedimentos e disparos de foguetes. Depois de a Mir descer a uma altitude de 200 quilômetros nas primeiras horas de quinta-feira, o Controle de Missão ligará o computador da estação desabitada e a alinhará para a descida. Há meses, a estrutura de 15 anos vem movimentando-se lentamente, pois as autoridades espaciais tentam economizar as baterias e o combustível para sua reentrada na atmosfera terrestre. Se o computador e o sistema de orientação funcionarem perfeitamente, uma nave de carga Progress acoplada com a estação terá seus motores ligados duas vezes, durante cerca de 20 minutos em cada uma das oportunidades. A primeira ignição dos motores ocorrerá às 3h30 de Moscou (21h30 de quinta-feira em Brasília), enquanto a segunda ocorrerá às 5h de Moscou (23h de quinta-feira em Brasília). Ambas as ignições vão ocorrer em órbitas consecutivas em torno da Terra. Tal operação diminuirá a velocidade da estação e alterará sua órbita de circular para elíptica. O ponto mais baixo de órbita, a cerca de 160 quilômetros de altitude, deve estar situado sobre a área do sul do Oceano Pacífico onde a Mir deverá afundar, disse Valery Lyndin, porta-voz do Controle de Missão. Em seguida, por volta das 8h de Moscou (2h de sexta-feira em Brasília), os motores da Progress serão ligados pela última vez durante 20 minutos para enviar a estação rumo à sua última viagem, em direção a uma área do oceano entre Austrália e Chile. A expectativa é de que a maior parte da Mir seja incinerada em sua reentrada na atmosfera. Apesar disso, cerca de 27,5 toneladas de restos da estação deverão atingir a superfície da Terra. "Os primeiros pedaços da estação deverão afundar às 9h de Moscou (3h em Brasília). Os pedaços mais leves continuarão caindo por cerca de meia hora", informou Lyndin à Associated Press. Funcionários do Controle de Missão contaram ter realizado 50.000 simulações dos procedimentos de queda para ter certeza de que os restos da estrutura orbital atingirão o alvo. Eles mostraram-se confiantes de que podem controlar a descida devido à experiência em operações similares com dezenas de espaçonaves Progress e de outros objetos derrubados na mesma área do Pacífico Sul e da mesma forma como conduzirão a Mir. Mas a estação espacial possui 143 toneladas e é de longe o mais pesado objeto espacial a ser trazido de volta à Terra nessas circunstâncias. Por esse motivo, autoridades competentes informaram que a descida ainda pode desafiar suas expectativas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.