Orlando Barría / EFE
Orlando Barría / EFE

'Estadão' e Fundação FHC debatem democracia na América Latina

Seminário virtual tratou da polarização, agressão a instituições e papéis dos meios de comunicação e universidades no processo democrático de países da região

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2021 | 05h00
Atualizado 09 de setembro de 2021 | 15h26

O Estadão e a Fundação Fernando Henrique Cardoso realizaram nesta quinta-feira, 9, um debate sobre os rumos e possibilidades da democracia na América Latina. Como parte da série de reportagens Democracia em Erosão, o webinar vai tratar da polarização, enfraquecimento de instituições democráticas e surgimento de líderes populistas em países da região, como Peru, Colômbia e Venezuela. 

Confira como foi o evento no link abaixo:

A doutora em Sociologia, pesquisadora-sênior do Consejo Nacional de Investigaciones Científicas y Técnicas e professora da Universidade de Buenos Aires, Liliana de Riz, e o escritor venezuelano, doutor em Economia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e colunista do Estadão, Moisés Naím, enfatizaram o papel importante dos meios de comunicação e das universidades no processo democrático.

“A independência dos meios de comunicação, como dos meios jurídicos, é essencial para um regime democrático”, afirmou Liliana de Riz. 

Com a mediação do diretor da Fundação FHC, Sergio Fausto, e do editor do Estadão Rodrigo Cavalheiro, a professora e Naím abordaram o papel das novas tecnologias e das redes sociais nesse processo. “Os meios de comunicação nesses tempos em muitos países, ao invés de ajudar a democracia, estão polarizando mais e tornando países ingovernáveis”, disse Naím.

Durante o debate, foi discutida a situação da democracia em países da região, como Brasil, Argentina e Venezuela.

Ensino e democracia

Questionado sobre o papel da universidade no processo democrático, Naím explicou que as instituições de ensino também “não escapam das tendências do mundo”. “Na América Latina temos muitas universidades onde o crime de opinião existe. Isso ocorre agora nos EUA de maneira muito agressiva. Em muitas universidades de lá há uma explosão da cultura do cancelamento. Quem se atreve a dizer algo contrário à maneira dominante de pensar é cancelado, demitido, expulso.”

O evento desta quinta-feira faz parte da série de reportagens Democracia em Erosão, que abordou a crise de sistemas democráticos em 11 países de três continentes. Na semana passada, o primeiro debate da série tratou da corrosão da democracia no Brasil


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.