Estádio da Copa América é símbolo de escândalos

Em Barinas, o Estádio Agustín Tovar de la Carolina é tido pela oposição como um dos principais símbolos do esquema de corrupção do governo. ''Irregularidades na reforma do estádio é a mais grave acusação contra Argenis, irmão do presidente'', afirmou o opositor Rafael Simón Jiménez.Argenis presidiu o comitê organizador da Copa América de futebol de 2007, e teve sua gestão posta sob suspeita em razão, principalmente do alto custo da reforma do ''La Carolina''.A obra, que recebeu financiamento público, foi sede de uma das partidas da copa (à tarde, porque o sistema de iluminação não estava pronto), mas até hoje não foi concluída.Um decreto de ''emergência esportiva'' permitiu entregar sem licitação a responsabilidade do projeto à empresa Procica, que se beneficiou do contrato de US$ 19 milhões. Após um ano de trabalho, o custo da obra foi revisto para US$ 61 milhões. A oposição estimou o superfaturamento em 40% - cálculo feito com base na obra do Estádio Monumental de Maturín, o maior construído para a copa, ao custo deUS$ 70 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.