Estado controla compras de livros

Editoras venezuelanas denunciaram ontem que um órgão do Estado está decidindo por critérios obscuros quais livros devem ser importados para a Venezuela. Segundo o jornal "El Universal", as editoras asseguram que os funcionários do Ministério de Indústrias Leves e Comércio também decidem unilateralmente a quantidade de exemplares de cada obra que será importada. Diante desse panorama, os editores estão buscando saídas alternativas e planejam imprimir os livros no país. No entanto, falta material e, para produzir as obras, a indústria gráfica venezuelana precisa da autorização da Comissão de Administração de Divisas para a aquisição de papel, tinta e máquinas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.