Tami Chappell/Reuters
Tami Chappell/Reuters

Estado da Georgia executa Troy Davis

Davis era acusado de matar há mais de duas décadas um policial na cidade de Savannah

Agência Estado

22 Setembro 2011 | 02h41

JACKSON - Troy Anthony Davis, condenado por matar um policial da cidade de Savannah, no Estado da Georgia, há mais de duas décadas, foi executado por injeção letal na noite de quarta-feira, menos de uma hora depois de o Supremo Tribunal de Justiça dos EUA se recusar a intervir. Sua execução ocorreu na prisão de Jackson, cidade a 77 quilômetros de Atlanta.

Davis foi declarado morto às 23h08, no horário local, (01h08 de quinta-feira, no horário de Brasília) e sua execução pôs fim a uma questão que se tornou uma bandeira para os defensores da erradicação da pena de morte em todo o mundo, dentre eles, o Papa Bento XVI e o ex-presidente Jimmy Carter.

A execução começou às 22h53, segundo um grupo de repórteres que estavam presentes. Dois membros da família do oficial morto em 1989, Mark Allen MacPhail, olharam fixamente para o réu durante todo o processo. "Sou inocente", disse-lhes Davis. Porém, suas últimas palavras foram dirigidas aos funcionários da prisão que lhe aplicaram a injeção: "Que Deus tenha piedade de vossas almas. Que Deus abençoe vossas almas".

A execução estava programada para as 19h (no horário local), mas foi adiada porque os advogados de Davis tentaram um pedido de última hora na Suprema Corte. Como a culpa de Davis era questionada, centenas de policiais e tropas de choques se posicionaram para evitar protestos em frente ao local onde houve a execução.

Os advogados de Davis disseram que pretendiam apresentar novas evidências que demonstrariam a existência de informações falsas no processo de acusação do réu.

Davis foi condenado à morte em 1991 pelo assassinato de MacPhail, um veterano de guerra e pai de dois filhos pequenos. O policial foi baleado em um estacionamento de uma loja Burger King, em Savannah.

Após o assassinato do policial, testemunhas disseram que Davis havia cometido o crime. Anos mais tarde, contudo, várias dessas testemunhas se retrataram ou modificaram seus depoimentos. Anteriormente, Davis havia escapado da execução por três vezes devido aos recursos dos advogados. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUA Georgia execução Troy Davis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.