Estado de NY aprova nova lei de armamento

Os deputados do Estado de Nova York aprovaram ontem uma nova legislação que restringe o acesso a armas de fogo. A nova lei é uma das mais duras dos EUA e a primeira ampla regulamentação sobre o tema aprovada desde o massacre ocorrido em uma escola de Connecticut, no mês passado. Em seguida, o texto foi encaminhado para o governador nova-iorquino, Andrew Cuomo, que o sancionou.

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

16 de janeiro de 2013 | 02h01

O projeto legislativo havia sido aprovado na noite de segunda-feira pelo Senado estadual, de maioria republicana, antes de ser votado na Câmara dos Deputados de Nova York, que é dominada por democratas. Cuomo, também democrata, pressionou ambas as Casas pela aprovação da lei após a matança na escola de Sandy Hook, em que 20 crianças e 6 adultos foram assassinados.

A legislação amplia a proibição já existente para fuzis de assalto e passa a abranger armas semiautomáticas que tenham elementos de uso militar, além de limitar a sete cartuchos a capacidade dos carregadores vendidos no Estado. Um novo registro de todos os revólveres e pistolas em posse dos cidadãos será exigido.

A nova lei prevê que os profissionais de saúde terão a obrigação de relatar às autoridades a existência de pacientes potencialmente perigosos, para ações contra o acesso a armas. Instrumentos legais para que cidadãos que ofereçam perigo aos demais, assim como para si mesmos, também estão previstas.

A prisão perpétua sem direito à liberdade condicional para assassinos de prestadores de primeiros socorros também está prevista na lei - uma reação às mortes de dois bombeiros emboscados por um incendiário no Natal, duas semanas após o massacre em Connecticut.

"Acredito que esse seja o mais amplo pacote (legislativo) no país. A maioria (dos artigos da lei) é senso comum. Infelizmente, o senso comum nos escapou por muitos anos em relação a esse assunto", disse Cuomo, explicando que caçadores e atiradores esportivos não serão regulados pela nova legislação. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.