'Estado' é dos únicos veículos a chegar à capital síria

Bastidores: Lourival Sant'Anna

O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2012 | 03h01

O avião seguiu praticamente vazio de Londres para Damasco na madrugada de ontem. Quase todos os passageiros eram sírios. De jornalistas, havia uma equipe de TV japonesa e o repórter do Estado. Observados pelo presidente Bashar Assad, onipresente nas fotos espalhadas pelas repartições públicas, os funcionários da imigração não sabiam bem o que fazer com os três jornalistas, de tão escassos que se tornaram. Mesmo as agências de notícias e redes de TV mundiais estão cobrindo a Síria dos países vizinhos. O Estado tornou-se ontem um dos únicos veículos do mundo a ter um enviado especial em Damasco.

Nos 25 km que separam o aeroporto do centro da capital, a situação é de normalidade: nenhum tanque ou barreira militar. Nem nos arredores de uma base do Exército havia esquema especial de segurança. Há soldados e policiais nas ruas, mas nada mais ostensivo do que antes. O regime parece manter o firme controle sobre o seu coração, Damasco, embora haja relatos de confrontos num raio de 30 km.

A vida transcorria normalmente ontem na cidade. O trânsito engarrafava, a maioria das lojas estava aberta e muitos escritórios funcionavam normalmente. Os damascenos são avessos a falar de política com desconhecidos. "A guerra é fora daqui" é uma frase comum. "Aqui está tranquilo." O preço de alguns produtos, como o diesel usado no aquecimento - e desviado para os veículos do Exército - subiu, mas não há desabastecimento.

Ignorando o caos a seu redor, Assad se reunia ontem com uma delegação da nova União dos Estudiosos do Levante, formada numa conferência realizada em Damasco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.