Brandon Wade/AP
Brandon Wade/AP

Estado Islâmico assume autoria de ataque a concurso de caricaturas de Maomé no Texas

Evento foi promovido no domingo, na cidade de Garland, por organização considerada islamofóbica; Jihadistas prometeram novos ataques em solo americano

O Estado de S. Paulo

05 de maio de 2015 | 09h07

WASHINGTON - O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) reivindicou nesta terça-feira, 5, em uma rádio oficial a tentativa de ataque, no domingo, a um concurso de caricaturas sobre Maomé em Garland, no sul do Texas, organizado pela American Freedom Defense Initiative, entidade considerada islamofóbica por alguns grupos, e prometeu novos ataques nos Estados Unidos.

"Dois soldados do Califado realizaram um ataque contra uma exposição de caricaturas contra o profeta em Garland, Texas, EUA", disse o locutor na gravação, cuja autenticidade ainda não pôde ser comprovada.


Pouco depois, o integrante do EI explicou que se tratava de uma mostra que exibia "charges negativas do profeta Maomé", acrescentando que os dois atacantes abrigam fogo e causaram ferimentos aos policiais que faziam a segurança do local.

"Dizemos aos EUA que o que virá será maior e mais amargo. Vocês verão que os soldados do Estado Islâmico fazem coisas horríveis", concluiu o locutor da gravação. Trata-se do primeiro ataque em solo americano que a organização terrorista assume a autoria.

A polícia americana identificou os autores do ataque como Elton Simpson, de 31 anos, e Nadir Soofi, de 34 anos, ambos residentes de Phoenix, no Arizona, e mortos pelos agentes durante o atentado. Ainda não está claro se o EI planejou, de fato, o ataque ou se os dois suspeitos juraram lealdade ao grupo e tentaram executar a ação em nome dos jihadistas.

Simpson havia sido detido em 2010 anos quando tentava viajar à África para se unir a um grupo jihadista, mas ficou em liberdade porque a promotoria não conseguiu provar seus planos. Ainda não há muita informação sobre Soofi. Sabe-se que ele se graduou na Universidade Internacional de Islamabad, no Paquistão, e depois se mudou para os Estados Unidos. Ele morou em Salt Lake City, no Estado de Utah, para continuar seus estudos universitários. Mais tarde, mudou-se para Phoenix, onde vivia no mesmo complexo de apartamentos de Simpson.

Ofensas. De acordo com as principais correntes islâmicas, qualquer representação física do profeta Maomé - e também de outros profetas, como Jesus e Moisés -, ainda que de forma respeitosa, é considerada blasfêmia. Caricaturas como as exibidas em Garland já causaram, em outras ocasiões, protestos violentos ao redor do mundo.

Em janeiro deste ano, 12 pessoas foram mortas em Paris na redação do semanário satírico francês "Charlie Hebdo", que tinha publicado charges ofensivas do profeta, em um atentado reivindicado pela Al-Qaeda na Península Arábica. / AP, AFP e EFE

Tudo o que sabemos sobre:
EUAGarlandTexasEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.