EFE/EPA/STEPHANIE LECOCQ
EFE/EPA/STEPHANIE LECOCQ

Estado Islâmico assume autoria de ataque com facão a duas policiais na Bélgica

Promotores belgas identificaram o agressor como um argelino de 33 anos que vivia no país desde 2012

O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2016 | 15h50

BRUXELAS - O Estado Islâmico assumiu neste domingo, 7, a autoria do ataque ocorrido na Bélgica, quando um homem com um facão deixou duas policiais gravemente feridas, informou um site ligado ao grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

"O agressor de Charleroi é um soldado do Estado Islâmico que realizou esta operação em resposta aos apelos para atacar a população de países da coalizão cruzada", disse o portal.

Pouco antes do anúncio, promotores belgas haviam identificado o agressor como o argelino K.B., de 33 anos, que vivia na Bélgica desde 2012. A promotoria também afirmou que poderia haver inspiração terrorista nos atos do indivíduo.

O agressor, que gritou "Allahu Akbar" (Alá é grande) durante o ataque, foi atingido por tiros de agentes policiais e morreu. Ele carregava uma mochila, mas ela não continha explosivos ou armas de fogo.

“Há indicativos de que o ataque possa ter sido inspirado por motivação terrorista”, disseram os promotores em comunicado. “Ele é conhecido da polícia por atos criminais, não por terrorismo.”

O ataque aconteceu no fim da tarde de sábado em frente à delegacia de Charleroi. O agressor "tirou um machado da bolsa de ginástica que carregava e golpeou de maneira muito violenta o rosto das duas policiais que estavam de plantão em frente à delegacia", explicou o porta-voz da Polícia de Charleroi, David Quinaux, à emissora RTL-TVI.

A Justiça belga abriu uma investigação por tentativa de assassinato terrorista após o ataque, informou neste domingo o primeiro-ministro Charles Michel. "A procuradoria federal nos informou que uma investigação foi aberta por tentativa de assassinato terrorista (...), visto um certo número de elementos que apareceram de forma imediata", indicou ele aos jornalistas. / Reuters e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.