AFP PHOTO / JOHN THYS
AFP PHOTO / JOHN THYS

Estado Islâmico assume autoria dos atentados na Bélgica

Agência de notícias vinculada ao grupo divulgou um comunicado em inglês em que afirma que jihadistas ‘detonaram uma série de bombas, coletes e outros explosivos no aeroporto e em uma estação do metrô no centro de Bruxelas’

O Estado de S. Paulo

22 de março de 2016 | 13h14

CAIRO - O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) assumiu a autoria dos atentados que mataram nesta terça-feira, 22, pelo menos 34 pessoas e feriram outras 200, segundo a agência de notícias Amaq, vinculada à organização jihadista.

Em comunicado divulgado em inglês, a agência afirma que combatentes do grupo "detonaram uma série de bombas, coletes e outros explosivos no aeroporto e em uma estação de metrô do centro de Bruxelas, capital da Bélgica, país que participa da coalizão internacional contra o Estado Islâmico".

Um funcionário de inteligência do Iraque afirmou que uma fonte na cidade de Raqqa, na Síria, disse que o grupo jihadista estava planejando ataques terroristas na Europa há pelo menos 2 meses cujos alvos seriam "aeroportos e estações de trem".

O funcionário, ouvido pela agência Associated Press, disse que sua fonte informou autoridades europeias sobre as informações, "mas Bruxelas não era parte do plano do EI naquele momento". Os militantes do grupo teriam transferido a operação para a capital belga "em razão da prisão de Salah Abdeslam", que participou dos atentados em Paris, na sexta-feira.

Outra fonte da inteligência iraquiana também confirmou a informação e disse que "há outros três terroristas suicidas que executarão mais um ataque".

Horas antes da confirmação oficial, apoiadores do Estado Islâmico elogiaram nas redes sociais as explosões em Bruxelas. "O Estado forçará vocês a reavaliarem seu pensamento mil vezes antes de se sentirem encorajados a matar islâmicos novamente, e saibam que os islâmicos agora têm um Estado para defendê-los", disse um dos apoiadores em sua conta no Twitter. /EFE, ASSOCIATED PRESS e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.