AFP PHOTO / Fadel SENNA
AFP PHOTO / Fadel SENNA

Estado Islâmico captura maior parte de vilarejo perto de Mossul após derrota

Extremistas atacaram Imam Gharbi, um vilarejo na margem ocidental do Rio Tigre, cerca de 70 quilômetros ao sul de Mossul; após perder controle da cidade, grupo deve adotar táticas de guerrilha

O Estado de S.Paulo

11 Julho 2017 | 10h11

TIKRIT, IRAQUE - O Estado Islâmico capturou a maior parte de um vilarejo ao sul de Mossul empregando táticas de guerrilha, apesar de ter perdido o controle de seu antigo reduto na cidade, disseram moradores e uma autoridade do Exército do Iraque, à medida que o califado autoproclamado pelos jihadistas desmorona.

O primeiro-ministro iraquiano, Haider Abadi, declarou vitória sobre o Estado Islâmico em Mossul na segunda-feira, marcando a maior derrota do grupo radical sunita desde que os militantes se espalharam pelo norte do Iraque e pela Síria há três anos.

Mas os militantes, armados com metralhadoras e morteiros, agora tomaram controle de mais de 75% de Imam Gharbi, um vilarejo na margem ocidental do Rio Tigre, cerca de 70 quilômetros ao sul de Mossul, e reforços são esperados, disse a autoridade do Exército do Iraque.

O Estado Islâmico lançou seu ataque contra Imam Gharbi na última semana, no tipo de ação que espera-se que o grupo empregará agora que as forças do Iraque apoiadas pelos Estados Unidos reconquistam controle de cidades que o grupo capturou durante sua ofensiva de choque de 2014. 

Contraofensiva

Em vários comunicados divulgados pela rede de mensagem Telegram e cuja autenticidade não pôde ser verificada, o EI disse que "soldados do califado atacaram posições do Exército apóstata e suas milícias na zona de Al Maidan", situada no centro histórico e libertada na segunda-feira.

Segundo os comunicados, ocorreram "combates" entre as forças iraquianas e os terroristas que causaram, segundo o EI, a morte de "vários apóstatas". O EI advertiu que "os soldados do califado ainda seguem em Mossul realizando façanhas até conseguir uma das coisas: a vitória ou o martírio". / REUTERS e EFE

Mais conteúdo sobre:
Iraque Estado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.