AP
AP

Estado Islâmico destrói artefatos arqueológicos de Hatra, no Iraque

Membros do governo local disseram no mês passado que o grupo militante saqueou e destruiu vários locais arqueológicos, incluindo o Nimrud, de 3.000 anos de idade, considerado patrimônio mundial da UNESCO.

O Estado de S. Paulo

04 de abril de 2015 | 09h40

Os extremistas do grupo Estado Islâmico destruíram um ligar arqueológico, na cidade antiga de Hatra, no Iraque, quebrando paredes com marretas e atirando com rifles de assalto Kalashnikov contra estátuas de valor inestimável, de acordo com imagens de um suposto novo vídeo militante.

O vídeo, divulgado durante a noite da sexta-feira, mostra um militante em uma escada usando uma marreta para bater repetidamente na parte de trás de um dos rostos esculpidos até que ele cai no chão e quebra em pedaços. O vídeo também mostra um militante disparando com um rifle Kalashnikov em outro monumento, enquanto os homens destroem as bases de grandes esculturas. O vídeo foi postado em um site militante frequentemente usado pelo grupo Estado Islâmico.

Um dos militantes, que fala árabe com um sotaque distinto do Golfo no vídeo, declara que eles destruíram o local porque ele é "adorado no lugar de Deus". O grupo Estado Islâmico, que detém um terço do Iraque e a vizinha Síria em seu califado autodeclarado, tem destruído relíquias antigas que, segundo os militantes, promovem a idolatria que viola a sua interpretação fundamentalista da lei islâmica. As autoridades também acreditam que o grupo esteja vendendo outras relíquias no mercado negro para financiar as suas atrocidades.

Membros do governo local disseram no mês passado que o grupo militante saqueou e destruiu vários locais arqueológicos, incluindo o Nimrud, de 3.000 anos de idade, considerado patrimônio mundial da UNESCO. O Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-Moon, chamou o ataque de "crime de guerra".

Outro vídeo divulgado em fevereiro mostrou militantes destruindo artefatos no Museu Mossul. Em janeiro, o grupo queimou centenas de livros da biblioteca de Mossul e da Universidade de Mossul, incluindo muitos manuscritos raros. A maioria dos artefatos destruídos no ataque ao museu eram de Hatra.

Hatra, localizada 110 quilômetros a sudoeste de Mossul, controlada pelo grupo, era uma grande cidade fortificada durante o Império Parto e capital do primeiro reino árabe. O local teria resistido a invasões pelos romanos em 116 e 198 depois de cristo, graças às suas paredes altas e espessas reforçadas por torres. O centro comercial antigo tem seis quilômetros de circunferência e era apoiado por mais de 160 torres.

A divulgação do vídeo veio depois que o governo do Iraque reivindicou nesta semana a vitória contra o grupo Estado Islâmico em Tikrit, cidade natal de Saddam Hussein. Tikrit está a 130 quilômetros ao norte de Bagdá na principal rodovia que leva a Mossul, a segunda maior cidade do Iraque. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.