Estado Islâmico executou 20 em anfiteatro romano na Síria, diz grupo de monitoramento

Segundo fontes em Palmyra, os jihadistas convocaram as pessoas para assistir à execução de suspeitos de colaborar com o governo

O Estado de S. Paulo

27 de maio de 2015 | 19h33

BEIRUTE - Militantes do Estado Islâmico mataram cerca de 20 homens em um antigo anfiteatro na cidade síria de Palmyra nesta quarta-feira, acusando-os de serem partidários do governo, disse o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, um grupo que monitora o conflito na Síria

A agência Reuters não conseguiu confirmar de forma independente a informação do Observatório, com sede na Grã-Bretanha.

Os militantes radicais sunitas tomaram o controle da cidade de Palmyra, no centro da Síria, também conhecida como Tadmur, das forças do governo na semana passada. Eles mataram pelo menos 200 pessoas e capturaram outras 600, informou o Observatório.

"Eles executaram cerca de 20 homens no anfiteatro romano e chamaram as pessoas para assistir", disse o representante do Observatório Rami Abdulrahman, citando fontes de dentro da cidade.

Os apoiadores do Estado Islâmico escreveram no Twitter que várias pessoas foram mortas pelo grupo dentro do anfiteatro, que faz parte das ruínas de 2.000 anos, declaradas Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

A agência da ONU advertiu que as construções e as estátuas históricas correm risco de serem destruídas ou saqueadas pelos combatentes do EI. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.