Estado Islâmico invade base aérea no leste da Síria

Militantes do grupo Estado Islâmico invadiram uma ampla base aérea militar no leste da Síria depois de dias de confrontos que mataram dezenas dos dois lados, de acordo com ativistas. A mídia estatal Síria reportou que a ofensiva foi repelida.

Estadão Conteúdo

06 de dezembro de 2014 | 15h49

A base, nas proximidades da cidade de Deir el-Zour, foi usada pelo governo em meses anteriores para lançar ataques aéreos a regiões controladas pelo grupo Estado Islâmico na fronteira com o Iraque. O grupo vem tentando capturar a base aérea e um quartel vizinho conhecido como Brigada 137 com o objetivo de eliminar o principal foco de resistência na região. A ação ainda visa elevar a moral do grupo depois de algumas derrotas nas últimas semanas.

O Observatório para Direitos Humanos, sediado no Reino Unido, disse que o último ataque começou no sábado com um carro-bomba na principal entrada da base aérea. Mais tarde, os militantes foram parados por um forte ataque do exército sírio, disse a entidade. Foi informado que alguns dos militantes do Estado Islâmico tiveram problemas para respirar devido ao uso de gás de cloro contra eles.

A TV estatal Síria citou um oficial militar que não foi nomeado e afirmou que as tropas repeliram as tentativas "terroristas" nas várias áreas próximas da cidade de Deir el-Zour e mataram "dezenas de homens, destruindo veículos e armas".

Segundo o Observatório, desde quinta-feira, 119 combatentes dos dois lados foram mortos, incluindo 51 soldados e membros de milícias pró-governo. Outros 68 membros do Estado Islâmico foram mortos, segundo a entidade, sendo que 33 eram sírios e dois eram cidadãos franceses.

Ativistas que apoiam o Estado Islâmico postaram fotos nas redes sociais mostrando dois helicópteros militares que teriam sido capturados pelos militantes. O governo sírio não comentou a possível captura de parte dos equipamentos da base aérea. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
SíriaEstado Islâmico

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.