AP
AP

Estado Islâmico perde seu último reduto urbano no Iraque

Tropas de Bagdá reconquistaram Rawa, na Província de Anbar, e agora os jihadistas só controlam zonas desérticas que representam 4% do território do país; na Síria, Exército se prepara para ofensiva em Bukamal, último bastião urbano do grupo

O Estado de S.Paulo

17 Novembro 2017 | 12h02

BAGDÁ - As tropas iraquianas reconquistaram em poucas horas nesta sexta-feira, 17, Rawa, a última cidade sob controle do grupo Estado Islâmico (EI), em mais uma derrota para os extremistas, que controlam agora apenas um pequeno território do Iraque na fronteira com a Síria.

Papa leiloará carro esportivo de luxo para financiar projetos humanitários

Na Síria, o EI também está em uma posição crítica, entrincheirado em Bukamal, seu último reduto urbano, pelas forças do governo de Bashar Assad. Em pouco mais de três anos, o "califado" proclamado pelo EI na Síria e Iraque perdeu praticamente todas as suas posições.

Em 2014, o grupo controlava um território com sete milhões de habitantes, em uma superfície equivalente a da Itália entre os dois países, onde controlava muitas cidades. Mas agora foi expulso de quase todos os centros urbanos do Iraque, onde não controla mais que 4% do território, de acordo com Hicham Hachemi, especialista iraquiano.

"Foram liberadas as zonas habitadas e delimitadas administrativamente. Mas os uádis (leitos secos de rios) e os oásis, as grandes zonas desérticas, que representam 4% do território iraquiano, seguem sob poder do EI", disse Hachemi. 

Número de mortes por terrorismo cai no mundo pelo segundo ano consecutivo

Após a conquista de Rawa, as forças iraquianas devem prosseguir pelo deserto ao longo da fronteira com a Síria para expulsar os últimos jihadistas.

"Militarmente, o EI está derrotado, mas agora vamos perseguir os resíduos para erradicar sua presença", disse o general iraquiano Yahya Rassul, porta-voz do Comando Conjunto de Operações (JOC, na sigla em inglês), após a libertação de Rawa.

Operação relâmpago

Assim como há duas semanas em Qaim, porta de entrada para o bastião do EI no deserto, as tropas governamentais e paramilitares avançaram rapidamente, sem encontrar grande resistência.

Os extremistas, afirmam fontes militares e autoridades locais, fogem para a Síria pouco antes da chegada das tropas iraquianas, que preparam o ataque com apelos para que os moradores utilizem bandeiras brancas e por uma rendição dos jihadistas.

Gilles Lapouge: Exorcizar jihadistas

A conquista de Rawa, 350 km ao oeste de Bagdá, foi uma ofensiva relâmpago que alcançou o objetivo apenas três horas após o anúncio do ataque pelo JOC.

As forças governamentais e unidades paramilitares tribais "libertaram o conjunto de Rawa e hastearam a bandeira iraquiana em todos os edifícios público", afirmou o general Noman Zobai, comandante da sétima divisão do exército iraquiano. As tropas trabalham agora para "limpar a região das minas e bombas", completou.

Do outro lado da fronteira, o EI enfrenta uma nova ofensiva das tropas governamentais em Bukamal, seu último reduto urbano, localizado na rica província petroleira de Deir es-Zor.

O exército sírio anunciou há uma semana a conquista de Bukamal, mas os extremistas iniciaram uma contraofensiva e retomaram o controle da cidade. Após um novo ataque na quinta-feira, o governo voltou a ocupar os subúrbios oeste, sul e leste da cidade.

Famílias que viajaram para se juntar ao Estado Islâmico querem voltar à Europa

Os jihadistas ainda controlam 25% de Deir es-Zor e alguns bolsões de resistência nas províncias de Hamas (centro), Damasco e no sul da Síria.

Em Deir es-Zor, o Estado Islâmico enfrenta uma dupla ofensiva final por parte das tropas sírias, na margem oeste do rio Eufrates, e das Forças Democráticas Sírias (FDS), uma aliança curdo-árabe apoiada pelos Estados Unidos, na margem leste. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.