David Becker/Getty Images/AFP
David Becker/Getty Images/AFP

FBI nega vínculo de atirador com EI após grupo assumir autoria de ataque em Las Vegas

Agente da polícia federal americana descarta que ação tenha relação com terroristas; em site de propaganda, extremistas dizem que autor dos disparos se 'converteu ao islã' meses atrás e alegam que ação foi resposta às operações da coalizão liderada pelos EUA

O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2017 | 11h25
Atualizado 02 Outubro 2017 | 19h34

WASHINGTON - O FBI negou nesta segunda-feira, 2, que o ataque a tiros na cidade americana de Las Vegas que deixou ao menos 59 mortos e mais de 500 feridos tenha sido realizado por um americano radicalizado pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI). Mais cedo, em um site de propaganda do grupo, os jihadistas informaram que o autor dos disparos era um soldado do EI.

BLOG. Maior ato de violência do governo Trump não veio de cidadãos de países muçulmanos

De acordo com o agente especial da polícia federal americana Aaron Rouse, responsável pelas investigações do caso, o autor do ataque, identificado como Stephen Paddock, de 64 anos, não tinha conexões com grupos terroristas internacionais. 

Além de Rouse, duas autoridades graduadas dos governo americano disseram de forma anônima à agência Reuters que não havia evidência de que o atirador estivesse ligado a qualquer grupo militante internacional e uma outra autoridade americana disse haver motivos para acreditar que o atirador tinha um histórico de problemas psicológicos.

Horas antes, o EI usou uma página de propaganda na internet para alegar relação com a ação. "O ataque em Las Vegas foi conduzido por um soldado do Estado Islâmico e foi realizado em resposta ao chamado para que alvos da coalizão sejam atacados", escreveu o grupo, se referindo à coalizão aérea liderada pelos americanos que combate os extremistas na Síria e no Iraque.

"O autor do ataque em Vegas se converteu ao Islã há alguns meses", completou o EI em outra mensagem divulgada pouco depois no mesmo site, sem fornecer provas das alegações. 

Nos últimos tempos, o Estado Islâmico tem assumido a autoria de ataques realizados por indivíduos inspirados em sua mensagem de terror mesmo quando não há evidências da ligação entre o autor do ataque e o grupo. 

Os 10 piores ataques de atiradores nos Estados Unidos

Paddock abriu fogo contra o público de um shows de música country a partir da janela de seu quarto, no 32º andar do hotel Mandalay Bay - a cerca de 365 metros do palco. Ao menos 22 mil pessoas estavam no local, segundo a polícia. As causas do ataque ainda são desconhecidas. / AFP, REUTERS, EFE e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.