AP Photo/Nariman El-Mofty
AP Photo/Nariman El-Mofty

Estado Islâmico reivindica atentado contra igreja no Cairo

Grupo terrorista afirmou que suicida detonou seu cinturão de explosivos 'no meio dos infiéis e apóstatas'; governo egípcio, no entanto, atribui ataque ao grupo político opositor Irmandade Muçulmana e prende suspeitos

O Estado de S. Paulo

14 Dezembro 2016 | 11h53

CAIRO - O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) assumiu na terça-feira, 13, a autoria do atentado cometido contra uma igreja no Cairo no domingo, no qual 25 pessoas morreram. Em um comunicado publicado on-line, o EI afirmou que um suicida detonou seu cinturão de explosivos no meio dos fiéis. Segundo o grupo, o autor do ataque foi Abu Abdallah al-Masri.

O grupo radical anunciou ainda que prosseguirá com os ataques contra "todos os infiéis e apóstatas no Egito e em qualquer outro local". Também na terça, o presidente egípcio, Abdel-Fattah al-Sissi, anunciou a identidade do autor do atentado e a detenção de quatro suspeitos do ataque, cuja autoria foi atribuída pelo governo à Irmandade Muçulmana.

Segundo Sissi, "o autor do atentado é Mahmud Chafiq Mohamed Mostafa, de 22 anos, que detonou seu cinturão de explosivos". Os detidos são Rami Mohamed Abdel Hamid Abdel Ghani - suspeito de ter escondido explosivos e abrigado o suicida -, Mohsen Mostafa el-Sayed Casem, Mohamed Hamdi Abdel Hamid Abdel Ghani e Ola Husein Mohamed Alí.

A comunidade copta egípcia não sofria um atentado tão mortífero desde o ataque suicida que deixou mais de 20 mortos em 1º de janeiro de 2011, na saída de uma igreja de Alexandria. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.