Karl-Josef Hildenbrand/dpa via AP
Karl-Josef Hildenbrand/dpa via AP

Estado Islâmico reivindica autoria de ataque com machado em um trem no sul da Alemanha

Refugiado afegão feriu quatro passageiros antes de ser morto pela polícia local; no quarto do agressor foi encontrada uma bandeira do Estado Islâmico desenhada a mão

O Estado de S.Paulo

19 Julho 2016 | 08h59

DUBAI - O Estado Islâmico (EI) reivindicou a responsabilidade nesta terça-feira, 19, pelo ataque com machado realizado por um refugiado afegão em um trem no sul da Alemanha, de acordo com sua agência de notícias Amaq.

"O agressor do ataque a machadadas na Alemanha era um dos combatentes do Estado Islâmico e realizou a operação em resposta a pedidos para atacar os países da coalizão que luta contra o Estado Islâmico", de acordo com o comunicado.

Uma bandeira do grupo jihadista, desenhada a mão, foi encontrada no alojamento do agressor, disse uma autoridade nesta terça-feira.

Segundo os primeiros dados da investigação fornecidos pelo ministro do Interior da Baviera, Joachim Herrmann, várias testemunhas disseram que o jovem gritou "Allahu Akbar" (“Alá é grande").

O menor, que chegou sem seus pais à Alemanha há aproximadamente dois anos, não tinha chamado a atenção até o momento e a polícia investiga se ele se radicalizou recentemente. "O que aconteceu nos últimos meses ou semanas, como chegou a este ataque, tudo deve ser investigado com detalhe", afirmou Herrmann.

O jovem foi registrado como requerente de asilo na Alemanha por um ano e desde o mês de março vivia na região de Wurzwurgo, primeiro em um albergue para menores sem acompanhamento e depois com uma família adotiva.

O rapaz de 17 anos estava sozinho no trem quando atacou de surpresa os passageiros, ferindo quatro deles. Ele então fugiu do vagão, mas foi morto a tiros pela polícia na noite de segunda-feira, dias após um tunisiano jogar um caminhão contra uma multidão e matar 84 pessoas em Nice, na Riviera Francesa. /Reuters e EFE

Mais conteúdo sobre:
Alemanha Terrorismo Estado Islâmico Trem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.