Reprodução
Reprodução

Estado Islâmico volta a ameaçar França e diz que intensificará ataques

Em novo vídeo divulgado na internet, jihadistas afirmam que ‘silêncio’ com relação à política do governo francês no Iraque e na Síria ‘está matando’ os cidadãos

O Estado de S.Paulo

21 Julho 2016 | 08h48

CAIRO - O grupo jihadista Estado Islâmico (EI) voltou a ameaçar a França nesta quinta-feira, 21, por meio de um vídeo divulgado na internet, no qual os extremistas afirmam que o silêncio do povo francês a respeito da política de seu governo no Iraque e na Síria está matando seus cidadãos.

"Prometemos que vocês verão o pior se ficarem de braços cruzados. Seu silêncio em relação às decisões de seu governo está matando vocês", diz um suposto jihadista na gravação, cuja autenticidade ainda não pôde ser comprovada.

Os dois jihadistas francófonos que aparecem na gravação felicitam o autor do massacre em Nice, na Riviera Francesa, que deixou 84 mortos na semana passada.

Em seguida, mencionam a decapitação de dois homens acusados de "espionarem" o EI, no que seria uma "mensagem" para a França, de acordo o SITE Intelligence, organização que monitora a atividade de páginas extremistas na internet.

O vídeo teria sido produzido pelo EI na Província de Nínive, no norte do Iraque, onde a organização controla parte do território.

Dirigindo-se ao presidente francês François Hollande e ao governo da França, um deles ameaça "intensificar" os ataques.

No sábado, o grupo extremista assumiu a autoria do atentado em Nice, realizado "em resposta aos apelos do grupo para tomar como alvo os países que fazem parte da coalizão internacional" contra o grupo no Iraque e na Síria. A França integra a aliança liderada pelos Estados Unidos e que bombardeia posições do EI.

Segundo especialistas, os jihadistas não parecem ter organizado diretamente os recentes ataques na França, mas podem ter inspirado seus autores em busca de um reforço de sua imagem de terror ao reivindicar a autoria dos atentados. / EFE e AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.