Divulgação/MRE Israel
Divulgação/MRE Israel

'Estado palestino deve ser fruto de negociações', diz embaixador de Israel

Para diplomata, 'é cedo para unilateralismo'; Jerusalém teme que radicais controlem novo Estado

Gabriel Toueg, do estadão.com.br

16 Setembro 2011 | 16h36

SÃO PAULO - O embaixador de Israel em Brasília, Rafael Eldad, disse que é "cedo demais" para o que chamou de unilateralismo dos palestinos ao levar para o Conselho de Segurança da ONU a proposta de reconhecimento de um Estado como membro pleno.

 

Veja também:

linkAbbas anuncia que buscará Estado pleno na ONU

lista ENTENDA: O que os palestinos buscam na ONU
especialESPECIAL: As disputas territoriais no Oriente Médio

 

Em um discurso em Ramallah, o presidente palestino Mahmoud Abbas disse que vai buscar o reconhecimento pleno do Estado palestino.

 

"Dissemos muitas e muitas vezes que Israel não se opõe a um Estado palestino", disse ao estadão.com.br o diplomata. Segundo ele, Jerusalém é favorável "à solução de dois Estados, uma nação judia e uma árabe, palestina". Mesmo assim, Eldad criticou o ato unilateral de Abbas.

 

Segundo o embaixador, o Estado palestino precisa ser "consequência de diálogo, de negociação, de um processo de paz". Eldad disse ainda que Israel teme que grupos fundamentalistas como o Hamas, o Hezbollah, a Irmandade Muçulmana e a Al-Qaeda tomem o controle de um futuro eventual Estado palestino.

 

"Outra coisa que nos preocupa é que, em vez de sentar e buscar retomar o processo de paz, os palestinos querem conseguir (o reconhecimento) sem negociações", disse Eldad. Para ele, esse não parece ser o caminho correto.

 

"Talvez (os palestinos) pensem bem e entendam que se trata de algo superficial, passageiro", afirmou o diplomata. Ele também garantiu que, dessa forma, "Israel não apenas não se oporá (ao Estado), será o primeiro país a apoiar um Estado palestino".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.