Najim Rahim via AP
Najim Rahim via AP

Estados Unidos acusam Rússia de bombardear hospital na Síria

Porta-voz do Departamento de Estado diz que americanos têm informações de inteligência que confirmam ataque e pede que autoridades russas investiguem e prestem contas do episódio

O Estado de S. Paulo

30 Outubro 2015 | 10h11

WASHINGTON - O Departamento de Estado dos EUA disse na noite de quinta-feira ter informação de inteligência que confirma que um ataque aéreo da Rússia atingiu um hospital na Síria e pediu a Moscou uma investigação e prestação de contas sobre o fato.

"Temos informação que nos leva a crer que aeronaves militares russas atingiram um hospital", disse o porta-voz do Departamento de Estado, John Kirby. Grupos "da sociedade civil síria" alegaram que a Rússia atingiu um ou vários hospitais com seus ataques aéreos sobre a Síria, explicou Kirby.

Os Estados Unidos têm "informação operacional que leva a crer que os alvos russos não focaram unicamente o Estado Islâmico (EI), mas também causaram efeitos colaterais e algumas vítimas civis, inclusive danos em infraestruturas civis", acrescentou.

A Sociedade Médica Sírio-Americana, uma organização sem fins lucrativos com sede nos EUA, acusou a Rússia de atingir vários hospitais na Síria, incluindo um ataque a um centro médico em Sarmin, na Província de Idlib, que deixou pelo menos 12 mortos em 20 de outubro, segundo um comunicado desse grupo.

Kirby não deu mais detalhes sobre o local e a data do ataque no hospital confirmado pelos EUA e nem o número de feridos, mas lembrou que Washington reconheceu sua responsabilidade pelo bombardeio americano sobre um hospital da Médicos sem Fronteiras (MSF) em Kunduz (Afeganistão), onde morreram 22 pessoas.

"Estamos tentando prestar contas por isso com investigações para ver que ocorreu, que lições aprendemos e como podemos evitar que isso aconteça novamente. Esperaríamos o mesmo de qualquer outro país que tivesse razões para crer que poderia ter causado efeitos colaterais ou vítimas civis. Gostaríamos de ver esse país investigar e, se possível, prestar contas pelo ocorrido", concluiu.

Kirby também disse que os EUA investigam um relatório divulgado na quinta-feira pela emissora americana "Fox News", segundo o qual aviões de carga russos transportaram armas do Irã a território sírio duas vezes ao dia durante os últimos dez dias.

"As exportações de armas do Irã são proibidas pela resolução 1747 da ONU. Averiguaremos estes relatórios de imprensa e, se determinarmos que a Rússia está promovendo essas transferências, vamos usar os canais apropriados, tanto bilateralmente como perante a ONU se for pertinente", afirmou o porta-voz. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Rússia Síria Estado Islâmico Médicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.