Estados Unidos aplicam novas sanções contra o Irã

Cinco empresas ligadas à Guarda Revolucionária entraram na lista negra do Departamento do Tesouro

AE, Agência Estado

21 de dezembro de 2010 | 16h59

Os Estados Unidos expandiram nesta terça-feira, 21, as sanções contra o Irã por causa dos programas nuclear e de mísseis do país persa e também pelo fato de Teerã apoiar o grupo militante libanês do Hezbollah.

 

Veja também:

lista As sanções já aplicadas contra o Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

 

O Departamento do Tesouro adicionou hoje cinco companhias iranianas ligadas à Guarda Revolucionária e à linha mercante estatal à sua lista negra financeira.

Entre as empresas sancionadas há dois bancos e uma transportadora de mercadorias. As sanções impedem que essas companhias tenham acesso ao sistema financeiro dos EUA e congelam quaisquer bens que elas tenham sob jurisdição norte-americana. O diretor executivo de uma das empresas também passou para a lista negra.

O Tesouro dos EUA identificou ainda a Pars Oil and Gas Company como pertencente ou controlada pelo governo iraniano. Com isso, a empresa ficou sujeita a sanções no âmbito da nova lei norte-americana para impedir o financiamento de atividades ilegais.

 

As potências ocidentais acusam o Irã de esconder, sob seu programa nuclear civil, outro de natureza clandestina e aplicações bélicas, cujo objetivo seria a aquisição de armas atômicas. Teerã nega tais alegações.

 

As tensões sobre o programa nuclear iraniano se acirraram no final do ano passado após o Irã rejeitar uma proposta de troca de urânio feita por EUA, Rússia e Reino Unido. Meses depois, o país começou a enriquecer urânio a 20%.

 

Um acordo mediado por Brasil e Turquia para troca de urânio chegou a ser assinado com o Irã em maio. O acordo, porém, foi rejeitado pelo Grupo de Viena - composto por Rússia, França, EUA e AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica) - e o Conselho de Segurança da ONU optou por impor uma quarta rodada de sanções ao país.

 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãsanções

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.