Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Evgenia Novozhenina/Reuters
Evgenia Novozhenina/Reuters

Estados Unidos negam visto ao ministro das Relações Exteriores do Irã

Mohammad Javad Zarif pretendia participar de reunião do Conselho de Segurança da ONU em Nova York

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de janeiro de 2020 | 01h09

Os Estados Unidos negaram um visto ao ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, que lhe permitiria participar de uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas em Nova York na próxima quinta-feira, 9, informou uma autoridade do país norte-americano.

Os comentários feitos nesta segunda-feira, 6, pelo oficial, que falou sob condição de anonimato, acompanham o momento de aumento de tensão entre os dois países, após os Estados Unidos promoverem um ataque que culminou na morte do mais importante comandante militar do Irã, Qassim Suleimani, na última sexta-feira, 3. 

Sob o 'acordo de sede' da ONU em 1947, os Estados Unidos geralmente são obrigados a permitir o acesso às Nações Unidas para diplomatas estrangeiros. Mas Washington diz que pode negar vistos por razões de "segurança, terrorismo e política externa".

O Departamento de Estado dos Estados Unidos recusou comentar a situação. A missão do Irã nas Nações Unidas afirmou não ter recebido nenhuma comunicação oficial dos EUA ou da ONU sobre o caso. O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, não quis se manifestar. 

Zarif pretendia participar de uma reunião do Conselho de Segurança que trataria da manutenção da Carta da ONU. A reunião e as viagens de Zarif haviam sido planejadas antes do último surto de tensão entre Washington e Teerã.

A reunião do Conselho de Segurança daria a Zarif um holofote global para criticar publicamente os Estados Unidos por matar Suleimani.

O enviado da ONU no Irã, Majid Takht Ravanchi, descreveu o assassinato de Suleimani como "um exemplo óbvio de terrorismo de Estado e, como ato criminoso, constitui uma violação grave dos princípios fundamentais do direito internacional, incluindo, em particular, a Carta das Nações Unidas".

Zarif viajou pela última vez a Nova York em setembro para o encontro anual de líderes mundiais nas Nações Unidas - depois que os Estados Unidos o sancionaram por implementar "a agenda imprudente do líder supremo do Irã". As sanções bloqueiam qualquer propriedade ou interesse que Zarif tenha nos Estados Unidos, mas ele declarou não possuir nada.

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, conversou com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, na segunda-feira. A porta-voz do Departamento de Estado, Morgan Ortagus, disse em comunicado que os dois discutiram eventos no Oriente Médio e que Pompeo "expressou seu apreço" pelos esforços diplomáticos de Guterres. /Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.