Ivan Pierre Aguirre/The New York Times
Ivan Pierre Aguirre/The New York Times

Estados Unidos passam a deportar imigrantes irregulares mexicanos para Guadalajara

Pacto entre as duas nações vizinhas teve início na quinta-feira, 19

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de dezembro de 2019 | 03h37

Os Estados Unidos começaram nesta quinta-feira, 19, a deportar para Guadalajara os cidadãos mexicanos que cruzam a fronteira de forma irregular. De lá, o governo mexicano os transfere para suas cidades de origem, no âmbito de um pacto entre as duas nações vizinhas, disse o Serviço de Imigração dos EUA (ICE). 

O ICE, responsável pelo transporte de migrantes para o Aeroporto Internacional de Guadalajara, disse que o primeiro voo de repatriamento partiu do terminal de Tucson, Arizona, nesta quinta-feira, com 150 pessoas a bordo. Para as autoridades americanas, isso reduzirá a reincidência.

"Essa ação interrompe o ciclo do tráfego, removendo os mexicanos da fronteira, onde seriam alvo de quadrilhas criminosas", disse Mark Morgan, chefe interino do Escritório de Alfândega e Proteção de Fronteiras (CBP). O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defende uma linha dura com a imigração irregular, que tem sido o eixo de seu governo e e foi da campanha que o levou à Casa Branca.

Para conter o fluxo de migrantes, os Estados Unidos fecharam acordos com Honduras, El Salvador e Guatemala nos últimos meses, para que os solicitantes de asilo esperem enquanto seu processo está sendo processado nesses países. Esses acordos ocorreram depois que, no ano fiscal de 2019, fechado em setembro, os Estados Unidos prenderam quase um milhão de pessoas na fronteira sul.

O aumento deveu-se principalmente à chegada de migrantes da América Central por caravana, muitos deles viajando em família, fugindo da pobreza e da violência em seus países. O chefe interino do Departamento de Segurança Interna, Ken Cuccinelli, disse no Twitter na quinta-feira que os Estados Unidos estão considerando enviar requerentes de asilo de qualquer nacionalidade – incluindo mexicanos – para a Guatemala.

"Os Estados Unidos e o governo guatemalteco estão trabalhando muito de perto para seguir a implementação do Acordo de Cooperação em Asilo", disse a autoridade. Cuccinelli disse que "à medida que o acordo é implementado, todas as populações, incluindo cidadãos mexicanos, estão sendo consideradas".

Os acordos de asilo com os países da América Central foram criticados por organizações de direitos humanos que apontam que esses países devastados pela violência não são seguros. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.