Estados Unidos pedem governo de união em Kiev

WASHINGTON - Os EUA condicionaram na quarta-feira, 26, a concessão de um pacote internacional de assistência à Ucrânia à adoção de reformas econômicas e à formação de um governo pluripartidário que represente "toda a população". Washington pediu ainda que "atores da região" respeitem a soberania e a integridade territorial da Ucrânia, em um recado à Rússia, que iniciou exercícios militares na fronteira com o país.

Cláudia Trevisan, Correspondente / Washington - O Estado de S. Paulo,

26 de fevereiro de 2014 | 23h21

Na segunda-feira, o ministro interino das Finanças da Ucrânia, Yuri Kolobov, disse que o país precisa de US$ 35 bilhões até 2015. Em novembro, Moscou anunciou que daria ao país vizinho US$ 15 bilhões, dentro do processo pelo qual o ex-presidente Viktor Yanukovich rejeitou um acordo com a UE em favor do fortalecimento dos laços com a Rússia. Com a mudança de cenário, é improvável que o empréstimo se mantenha.

O socorro à Ucrânia é negociado em Washington pelos EUA, países europeus e o Fundo Monetário Internacional (FMI). Em nota, a Casa Branca disse que o pacote dependerá de "avanços" na formação de um governo de unidade nacional que adote reformas econômicas.

Os EUA defenderam ainda a proteção dos direitos das minorias ucranianas, o cumprimento das obrigações internacionais do país e a não adoção de políticas que provoquem divisão interna.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAUcrâniaKiev

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.