Estados Unidos perderam a paciência, diz inspetor

O chefe dos inspetores do desarmamento do Iraque, Hans Blix, voltou a confessar-se "desiludido" pela interrupção prematura da sua missão, reconhecendo, porém, que pouco podia fazer-se, porque "no final de janeiro, os norte-americanos perderam a paciência".Numa entrevista ao diário britânico "The Guardian", Blix reiterou a sua convicção de que os esforços para desarmar o regime iraquiano foram interrompidos muito cedo e deveria se ter tido mais paciência. "Embora, nos meus relatórios, falasse de progressos e destacasse aspectos positivos, penso que, desde o final de janeiro ou início de fevereiro, (osnorte-americanos) foram se inclinando para outra conclusão", disse.Nas palavras de Blix, a sua missão no Iraque foi "um trabalho técnico, imparcial e independente, realizado num campo de minas político". Evitando criticar diretamente quem, aos olhos do mundo, o colocou entre a guerra e paz, o chefe da frustrada missão da ONU apenas se irrita - destacou"The Guardian" - quando se recorda da acusação dos Estados Unidos, feita durante o processo diplomático que precedeu a guerra, de que ele estaria ocultando informação."Isso foi usado contra nós na batalha para conseguir votos (no Conselho de Segurança). Foi injusto, um ataque injustificado", protesta. Residente em Nova York, Blix tem hoje uma vida tranquila, com tempo ? segundo o jornal - para se dedicar a "passatempos" como preparar pratos de peixe e marmelada."Triste" e decepcionado, lamenta, hoje ainda, que as inspeções, fosse por que razão fosse, não tivessem resultado, mas insiste em que o tempo para agir e terminá-las com sucesso foi escasso. "(Os norte-americanos) - disse concluindo - queriam uma garantia absoluta de que os iraquianos tinham armas de destruição maciça", algo que era difícil de conseguir. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.