Estamos muito felizes, diz embaixador palestino em Brasília

Para Ibrahim al-Zeben, decisão tem um peso político, devido à importância crescente do Brasil

Luiz Raatz - estadão.com.br,

03 de dezembro de 2010 | 16h21

SÃO PAULO - O embaixador da Delegação Especial Palestina no País,  Ibrahim al-Zeben, disse estar muito feliz com o reconhecimento do Estado palestino pelo governo brasileiro. Ao estadão.com.br, Al-Zeben afirmou que a decisão tem um peso político importante, devido à importância crescente do Brasil no cenário mundial.

Leia a entrevista:

O que representa o reconhecimento do Estado palestino?

No lado formal, a Representação Especial se chamará embaixada do Estado palestino. No sentido político é um grande apoio a embaixada palestina, ao processo de paz e um estado postergado por tantos anos. Obviamente estamos muito felizes. Isto vai colaborar com o processo de paz.

Qual a importância da decisão brasileira?

O Brasil tem um peso mundial muito importante como foi demonstrado nos últimos anos. É o maior país do hemisfério, mundial e politicamente, um país respeitado e mantém boas relações com Israel e com o mundo árabe. É uma decisão acertada.

A Autoridade Palestina pretende buscar o reconhecimento do Estado na ONU?

Este passo ainda não está na agenda . Isto depende das negociações diretas com Israel, que estão trancadas. As negociações são importantes. E é importante que Israel entenda que um estado palestino com fronteira é um direito. (O reconhecimento da ONU) Será um passo final no processo.

Em que passo estão as discussões para a retomada das negociações de paz?

Estamos em ponto imediato de retomar se Israel anunciar de fato a paralisação dos assentamentos. Tem de parar em todo o território, inclusive Jerusalém Oriental.

Veja também:

blog Gustavo Chacra: palestinos querem dar xeque-mate em Israel

blogRadar Global: Leia as cartas de Lula e Abbas

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.