Carolyn Kaster/AP
Carolyn Kaster/AP

Estamos testemunhando a história, diz Obama sobre crise egípcia

Americano afirma que egípcios lutaram pela mudança e que EUA apoiam transição ordenada

estadão.com.br,

10 de fevereiro de 2011 | 16h42

CAIRO - O presidente dos EUA, Barack Obama, disse nesta quinta-feira que o mundo está assistindo a história acontecer no Egito. Em um evento em Michigan, o presidente disse que o povo egípcio lutou pela mudança e que os EUA vão apoiar uma transição ordenada.  

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

som TV Estadão: Veja imagens dos protestos na praça Tahrir

documento Artigo: De que lado está o Exército egípcio?

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

"Estamos prestando muita atenção aos eventos no Egito.Estamos testemunhando a história.", disse Obama. Antes de discursar, o presidente americano disse a repórteres na chegada a Michigan que seu governo está monitorando a situação e que as coisas estão acontecendo de maneira muito rápida.

O diretor da Agência Central de Inteligência (CIA), Leon Panetta, disse em uma audiência no Congresso americano que recebeu informes de que Mubarak poderia e renunciar hoje, mas não tinha mais detalhes se, de fato, ele faria isso.

Para o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, a situação é clara. "Nos últimos dias tornamos pública nossa postura. O que queríamos ver, e, mais importante, o que o povo egípcio quer ver, era uma mudança irreversível", disse.

O governo americano tem mantido uma postura cuidadosa em relação à crise egípcia. Um dos principais aliados de Washington na região, Mubarak recebe US$ 1,3 bilhão por ano em ajuda econômica e militar. No entanto, as reivindicações dos manifestantes por democracia e direitos individuais forçaram Obama a, pelo menos em público, defender uma transição de poder.

Com AP e Reuters

Leia ainda:

linkJovens que iniciaram protestos pedem renúncia de vice

link Arábia Saudita se oferece para apoiar Mubarak

linkChanceler egípcio vê risco de golpe militar no país

linkExército deteve e torturou manifestantes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.