Nicholas Kamm/AFP
Nicholas Kamm/AFP

Estatal russa quer ajudar no programa nuclear do Brasil

O chanceler brasileiro, Aloysio Nunes Ferreira, deu a declaração após se reunir com seu colega russo, Serguei Lavrov, em Nova York

Cláudia Trevisan, Enviada Especial / Nova York , O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2017 | 05h00

A empresa estatal russa Rosatom tem interesse em participar do programa nuclear brasileiro e da eventual conclusão da usina nuclear de Angra 3, disse na quinta-feira, 21, o chanceler, Aloysio Nunes Ferreira, após se reunir com seu colega russo, Serguei Lavrov, em Nova York. Até 2015, as obras já haviam consumido R$ 5,3 bilhões, de um total estimado em R$ 14,8 bilhões. O governo estuda retomar a construção, iniciada nos anos 80. 

A Rosatom controla as atividades nucleares civis e militares da Rússia e responde pela produção de 17% da energia nuclear global. Aloysio e Lavrov se reuniram em Nova York, durante a Assembleia-Geral da ONU. No encontro, o russo manifestou interesse na posição brasileira em relação à Venezuela. Mais cedo, ele havia criticado a ameaça de Donald Trump de intervir militarmente no país. “É inaceitável incitar distúrbios e ameaçar usar a força para democratizar a Venezuela”, disse Lavrov em discurso na ONU. 

Aloysio também se reuniu com o chanceler da Ucrânia, Pavlo Klimkin, com quem discutiu a dissolução da empresa binacional criada durante o governo Dilma Rousseff para utilizar a base de Alcântara no lançamento de satélites. O Brasil gastou ao menos R$ 500 milhões no projeto, que nunca decolou. O chanceler disse a Klimkin que os ucranianos não cumprem os requisitos para a liquidação da empresa, o que gera custos com a manutenção.

Mais conteúdo sobre:
Brasil [América do Sul] Rússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.